Concurso DPE MT 2022: saiba tudo sobre as vagas na Defensoria Pública do Estado do Mato Grosso

Atualizado em 27/06/2022 às 10:16

concurso DPE MT 2022 acaba de ter seu edital publicado! A Defensoria Pública do Estado do Mato Grosso abriu 28 vagas para os níveis médio e superior, com salários de até R$ 10,6 mil. Para ajudar nos seus estudos, preparamos um texto especial com tudo o que você precisa saber, acompanhe!

O Aprova Concursos preparou um curso exclusivo para o concurso DPE MT 2022. Nossas videoaulas estão em formato de plano de estudos, ou seja, elas já estão organizadas na ordem dos assuntos que mais tem chances de serem cobrados na prova! Então, é só dar o play e seguir a sequência do seu ambiente de estudos, assim, você não perde tempo! E, elas também são gravadas por assunto, com a duração ideal para que você consiga aprender sobre o tema proposto pelo professor, sem ficar cansativa!

Afinal, a sua preparação só precisa durar o tempo necessário para garantir a vaga dos seus sonhos. Com toda a certeza um dos nossos cursos irá aumentar muito as suas chances de conquistar uma das vagas na DPE MT, venha para o Aprova e descubra o segredo para ser aprovado!

Acesse o curso online para o concurso DPE MT 2022

Para mais informações, ligue 0800 727 6282

Tudo sobre o concurso DPE MT 2022

A Defensoria Pública do Estado do Mato Grosso publicou edital com 28 vagas imediatas, mais oportunidades em cadastro de reserva, para os seguintes cargos:

CARGOS VAGAS SALÁRIOS REQUISITOS
Técnico Administrativo (área meio) 2 + CR R$ 3.065,50 Certificado de conclusão de ensino nível médio
Técnico Administrativo (área fim) 7 + CR R$ 3.065,50 Certificado de conclusão de ensino nível médio
Analista: Administrador CR R$ 6.584,11 Curso superior em administração de empresas e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Advogado CR R$ 6.584,11 Curso superior em direito e inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil
Analista: Analista de Sistemas 18 + CR R$ 6.584,11 Curso superior em análise de sistemas ou ciências da computação
Analista: Arquiteto CR R$ 6.584,11 Curso Superior em Arquitetura e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Assistente Social CR R$ 6.584,11 Curso superior em serviço social e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Contador CR R$ 6.584,11 Curso superior em ciências contábeis e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Economista CR R$ 6.584,11 Curso superior em economia e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Engenheiro Civil CR R$ 6.584,11 Curso Superior em Engenharia Civil e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Analista: Jornalista CR R$ 6.584,11 Curso superior em Jornalismo
Analista: Psicólogo CR R$ 6.584,11 Curso superior em psicologia e registro no Conselho Regional da categoria profissional
Controlador Interno 1 + CR R$ 10.632,57 Curso superior em Administração, Direito, Ciências Contábeis ou Economia, reconhecido pelo MEC, e registro no respectivo Conselho/Delegacia ou Órgão quando este exigir para o exercício do cargo

 

É importante destacar que há reserva de vagas para Pessoas com Deficiência (10%), Negros e Quilombolas (20%) e para candidatos Indígenas (5%).

E além do salário, os servidores da DPE/MT, atualmente, também têm direito a auxílio alimentação no valor de R$ 803,75.

A jornada de trabalho será de 30 horas semanais para todos os cargos e a lotação será distribuída entre as cidades de Água Boa, Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Campo Verde, Canarana, Chapada dos Guimarães, Colíder, Comodoro, Cuiabá, Diamantino, Jaciara, Juara, Juína, Lucas do Rio Verde, Mirassol d’Oeste, Nova Mutum, Nova Xavantina, Paranatinga, Peixoto de Azevedo, Pontes e Lacerda, Porto Alegre do Norte, Poxoréu, Primavera do Leste, Rondonópolis, São José do Rio Claro, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra, Várzea Grande e Vila Rica.

 

Inscrição no concurso da DPE MT

Os candidatos interessados nas vagas ofertadas pelo edital DPE MT podem se inscrever no site do IBFC https://ibfc.org.br/menus/inscricoes_online a partir das 9h do dia 20 de junho até às 23h do dia 25 de julho de 2022. As taxas custam R$ 70,00 (nível médio) e R$ 110,00 (nível superior).

Existe possibilidade de pedir isenção do valor da taxa (das 9h de 20/06 até às 16h de 22/06) para candidatos:

  • eleitores convocados e nomeados pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso, que prestarem serviços no período eleitoral, e os jurados que prestarem serviço perante o Tribunal do Júri em uma das comarcas do Estado de Mato Grosso
  • doadores regulares de sangue
  • trabalhadores que percebam até um salário mínimo e meio ou se encontrem desempregados

Etapas do concurso DPE MT

Os candidatos inscritos no edital DPE MT serão avaliados nas seguintes etapas:

  • Prova preambular (objetiva) – eliminatório e classificatório; e
  • Prova escrita – eliminatório e classificatório.

As Provas Objetiva e Discursiva estavam previstas para o dia 28 de agosto, mas foram adiadas para 25 de setembro. Elas serão aplicadas em Cuiabá e/ou Várzea Grande.

Prova Objetiva DPE MT

O valor desta etapa será de 0 a 80 pontos, considerando-se habilitado o candidato obtiver nota igual ou superior a 48 pontos. Serão cobradas as seguintes disciplinas:

Cargos de nível médio
  • Conhecimentos Básicos
    • Língua Portuguesa – 5 questões (valendo 1,5 pontos cada)
    • Raciocínio Lógico – 3 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Noções de Informática – 3 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Princípios de Ética e da Filosofia – 3 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Conhecimentos Étnico-Raciais – 3 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Geografia e História de Mato Grosso – 3 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Legislação – 5 questões (valendo 1,5 pontos cada)
  • Conhecimentos Específicos – 25 (valendo 2 pontos cada)
Cargos de nível superior
  • Conhecimentos Básicos
    • Língua Portuguesa – 8 questões (valendo 1,2 pontos cada)
    • Raciocínio Lógico – 4 questões (valendo 0,8 pontos cada)
    • Noções de Informática – 4 questões (valendo 1 ponto cada)
    • Princípios de Ética e da Filosofia – 3 questões (valendo 0,8 pontos cada)
    • Conhecimentos Étnico-Raciais – 3 questões (valendo 0,8 pontos cada)
    • Geografia e História de Mato Grosso – 3 questões (valendo 0,8 pontos cada)
    • Legislação – 5 questões (valendo 1 ponto cada)
  • Conhecimentos Específicos – 30 questões (valendo 1,7 pontos cada)

Prova Discursiva DPE MT

Serão aplicadas provas discursivas específicas apenas o nível superior, o valor desta etapa irá de 0 a 30 pontos, considerando-se habilitado o candidato que obtiver nota igual ou superior a 15 pontos.

O candidato deverá responder uma questão de conhecimento específico de acordo com o cargo, sendo que o texto deverá ter, no mínimo 15 e, no máximo, 20 linhas, observando os critérios de correção.

Requisitos básicos do concurso DPE MT

O candidato aprovado no concurso da DPE MT, após nomeado, só será empossado no cargo se atender as exigências abaixo, descritas no item 3.1 do edital:

  • ser brasileiro nato ou naturalizado e no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos políticos, na forma do art. 13 do Decreto nº 70.436, de 18/04/1972;
  • ter idade mínima de 18 (dezoito) anos completos na data de posse;
  • estar quite com as obrigações eleitorais;
  • estar quite com as obrigações militares, para os candidatos do sexo masculino;
  • encontrar-se em pleno gozo de seus direitos políticos e civis;
  • não ter sofrido, no exercício de função pública, penalidade incompatível com nova investidura em cargo público;
  • não ter sofrido nenhuma condenação em virtude de crime contra a Administração, com trânsito em julgado;
  • ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, que será comprovada por meio de exames médicos específicos a ser constatado por junta médica oficial do Estado, conforme o Regimento Interno ou outra normativa da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso.
  • apresentar atestado médico, nos casos de candidatos com deficiência, declarando a deficiência que possui, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID), e declarando, ainda, estar apto a desenvolver as atribuições inerentes ao cargo, o que será comprovado nos exames médicos específicos a ser constatado por junta médica oficial do Estado, conforme o Regimento Interno ou outra normativa da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso.
  • não receber proventos de aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142, conforme teor do Artigo 37, § 10, todos da Constituição Federal (com a redação da Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/1998), e nem estar com idade de aposentadoria compulsória;
  • não possuir registro de antecedentes criminais nos últimos 5 (cinco) anos, ficando impedido a posse nos casos em que houver ação penal com sentença condenatória transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos;
  • firmar declaração de não estar cumprindo sanção por inidoneidade, aplicada por qualquer órgão público ou entidade da esfera federal, estadual ou municipal;
  • estar registrado e com a situação regularizada junto ao órgão correspondente à sua formação profissional, quando for o caso;
  • ser aprovado neste concurso público e possuir os requisitos básicos exigidos para o exercício do cargo;
  • atender a todas as exigências estabelecidas no Edital.

Atribuições do cargos DPE MT

Confira as atribuições de cada cargo do concurso da Defensoria Pública do Mato Grosso:

Técnico Administrativo – Área Meio

O Técnico Administrativo – Área Meio, que compõe o apoio técnico de nível médio, tem como missão executar atividades de rotina administrativa da área sistêmica da Defensoria Pública (área meio da instituição), preenchendo formulários, organizando e controlando processos, documentos e materiais, operando equipamentos das unidades administrativas, efetuando notificações mediante determinação do superior imediato, auxiliando nas execuções de serviços administrativos para o perfeito desenvolvimento das rotinas de trabalho da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – preencher formulários diversos, consultando fontes de informações disponíveis para possibilitar a apresentação dos dados solicitados;
  • II – arquivar cópia de documentos emitidos, colocando-os em pastas apropriadas para permitir eventuais consultas e levantamento de informações;
  • III – realizar levantamento do estoque de material existente, examinando registros efetuados para proceder, caso necessário, a sua reposição;
  • IV – conferir o material recebido, confrontando-o com os dados contidos na requisição, examinando-os, testando-os e registrando-os para encaminhá-los ao setor requisitante;
  • V – operar equipamentos digitando textos e relatórios, efetuando cálculos, tirando cópias xerográficas e prestando orientações por telefone, para contribuir na execução dos serviços de rotina;
  • VI – redigir correspondências e documentos em geral;
  • VII – colaborar com a preparação e tramitação de processos;
  • VIII – proceder à conferência numérica de documentos, processos, materiais e equipamentos;
  • IX – elaborar relatórios demonstrativos dos serviços executados;
  • X – fixar ou substituir cartazes, avisos e outros impressos nos quadros de avisos;
  • XI – atender às requisições de informações relacionadas às atividades do respectivo setor;
  • XII – atender os públicos interno e externo e, em sendo o caso, encaminhá-los para quem possa sanar a demanda;
  • XIII – atender e efetuar telefonemas, transmitindo ou recebendo recados e prestando informações quando possível;
  • XIV – redigir documentos relativos ao tramite interno dos processos e outros que forem solicitados;
  • XV – auxiliar o setor administrativo no cumprimento de diligências externas;
  • XVI – auxiliar o setor administrativo no que concerne às instruções, notificações, requisições e diligências;
  • XVII – auxiliar no recebimento e na devolução dos processos administrativos aos demais setores,
    bem como na entrega e recebimento de documentos e correspondências;
  • XVIII – auxiliar em serviço externo que demande a necessidade de apoio na distribuição de documentos de todos os gêneros e no deslocamento de materiais, móveis e equipamentos;
  • XIX – auxiliar no cadastramento de processos judiciais e administrativos no sistema interno correspondente;
  • XX – efetuar lançamentos em qualquer sistema informatizado que venha a ser adotado pela Instituição;
  • XXI – auxiliar nos trabalhos administrativos em geral do local de sua atuação. Parágrafo único. Caso seja demonstrada a necessidade do serviço, o Defensor Público-Geral poderá requisitar Técnico Administrativo – Área Meio para cumprir suas atribuições na área finalística da instituição, desde que haja concordância do servidor.

Técnico Administrativo – Área Fim

O Técnico Administrativo – Área Fim, que compõe o apoio técnico de nível médio, tem como missão executar atividades de rotina administrativa dos Núcleos da Defensoria Pública (área finalística da instituição), preenchendo formulários, organizando e controlando processos, documentos e materiais, operando equipamentos das unidades administrativas, efetuando notificações mediante determinação do Defensor Público Coordenador do Núcleo, auxiliando nas execuções de serviços administrativos para o perfeito desenvolvimento das rotinas de trabalho da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – preencher formulários diversos, consultando fontes de informações disponíveis para possibilitar a apresentação dos dados solicitados;
  • II – arquivar cópia de documentos emitidos, colocando-os em pastas apropriadas para permitir eventuais consultas e levantamento de informações;
  • III – realizar levantamento do estoque de material existente, examinando registros efetuados para proceder, caso necessário, a sua reposição;
  • IV – conferir o material recebido, confrontando-o com os dados contidos na requisição, examinando-os, testando-os e registrando-os para encaminhá-los ao setor requisitante;
  • V – operar equipamentos digitando textos e relatórios, efetuando cálculos, tirando cópias xerográficas e prestando orientações por telefone, para contribuir na execução dos serviços de rotina;
  • VI – redigir correspondências e documentos em geral;
  • VII – colaborar com a preparação e tramitação de processos;
  • VIII – proceder à conferência numérica de documentos, processos, materiais e equipamentos;
  • IX – elaborar relatórios demonstrativos dos serviços executados;
  • X – fixar ou substituir cartazes, avisos e outros impressos nos quadros de avisos;
  • XI – atender às requisições de informações relacionadas às atividades do respectivo setor;
  • XII – atender os públicos interno e externo e, em sendo o caso, encaminhá-los para quem possa sanar a demanda;
  • XIII – atender e efetuar telefonemas, transmitindo ou recebendo recados e prestando informações quando possível;
  • XIV – redigir documentos relativos ao tramite interno dos processos e outros que forem solicitados;
  • XV – efetuar lançamentos em qualquer sistema informatizado que venha a ser adotado pela Instituição;
  • XVI – auxiliar o Defensor Público ou o setor administrativo no cumprimento de diligências externas;
  • XVII – auxiliar o Defensor Público no que concerne às instruções, notificações, requisições e diligências;
  • XVIII – quando habilitado, auxiliar na devolução dos processos judiciais ao cartório, bem como na entrega de correspondências;
  • XIX – auxiliar em serviço externo que demande a necessidade de apoio na distribuição de documentos de todos os gêneros e no deslocamento de materiais, móveis e equipamentos;
  • XX – auxiliar no cadastramento de processos judiciais e administrativos no sistema interno correspondente;
  • XXI – auxiliar nos trabalhos administrativos em geral do local de sua atuação. Parágrafo único. Caso seja demonstrada a necessidade do serviço, o Defensor Público-Geral poderá requisitar Técnico Administrativo – Área Fim para cumprir suas atribuições na área sistêmica da instituição, desde que haja concordância do servidor.

Administrador

O Analista Administrador, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão coordenar, supervisionar e executar trabalhos, estudos, pesquisas, análises e projetos administrativos, para melhoria e inovação das rotinas administrativas, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – planejar, organizar, formular, implantar, supervisionar, avaliar sistemas, processos e métodos de gestão, especialmente nas áreas de administração de materiais e compras, gestão de pessoas, desenvolvimento organizacional, patrimônio e afins;
  • II – pesquisar, desenvolver e sistematizar as atividades decorrentes do planejamento estratégico e tático;
  • III – executar atividades especializadas de planejamento, gestão, coordenação e assistência técnica, bem como administrativas e de logística;
  • IV – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho, constituídos pela autoridade competente;
  • V – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
  • VI – elaborar, aplicar instrumentos de acompanhamento, avaliação, pesquisa, controle e divulgação referentes aos planos, programas, parcerias estratégicas e projetos desenvolvidos pela Defensoria;
  • VII – promover estudos e pesquisas sobre atribuições de cargos, funções e empregos, a fim de possibilitar a definição de sua classificação e redistribuição, bem como relacionados a programas de recrutamento, seleção, treinamento e aperfeiçoamento de pessoal;
  • VIII – acompanhar a implantação de sistemas de avaliação de cargos e servidores, bem como participar da elaboração de atos oficiais regulamentando essas matérias;
  • IX – participar de estudos visando à promoção de cursos, seminários e reuniões com o objetivo de treinamento e aperfeiçoamento de pessoa;
  • X – estudar e acompanhar projetos de estruturação e reorganização de serviços administrativos, e acompanhar programas de simplificação de rotinas de trabalho, com vistas a maior produtividade e eficiência do serviço;
  • XI – participar na elaboração de projetos de organização de procedimentos administrativos e
    serviços, preparando fluxogramas, organogramas e demais esquemas e gráficos das informações, inclusive avaliando as condições para a utilização de recursos informatizados;
  • XII – colaborar na análise de fluxos, estudos sobre a divisão do trabalho e avaliação de tempos de operação, e elaboração de formulários;
  • XIII – participar de estudos para a elaboração
    de normas destinadas à padronização, especificação, compra, recebimento, guarda, estocagem, alienação e inventário de material;
  • XIV – acompanhar ou participar da elaboração de anteprojetos de leis, regulamentos e normas administrativas de interesse dos órgãos e agentes públicos em exercício na Defensoria Pública;
  • XV – emitir laudos e pareceres sobre assunto de sua área de competência profissional por solicitação do Defensor Público-Geral.

Advogado

O Analista Advogado, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão executar tarefas relativas à emissão de pareceres, realização de estudos para orientação jurídica na elaboração de atos oficiais ou decisões, pesquisa e seleção de textos jurídicos e informações de interesse jurídico, atuando na tramitação de processos para assessorar dirigentes ou membros da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – realizar pesquisa e seleção de textos jurídicos de interesse, consultando livros, diários oficiais e outras fontes para inteirar-se de julgados, acórdãos, leis, decretos, alterações ou complemento de leis e apurar informações pertinentes ao caso que está sendo analisado;
  • II – acompanhar o andamento de processos e perícias requeridas, visitando outras repartições para verificar a situação destes, com vistas à tomada das devidas providências;
  • III – preparar certidões de documentos, reproduzindo peças processuais, escritos constantes de suas notas e outros dados pertinentes, em impressos apropriados para cumprir disposições legais, de processos administrativos sob sua responsabilidade;
  • IV – emitir parecer jurídico em processos, contratos e licitações, propondo deferimento ou indeferimento, conforme o caso;
  • V – estudar a matéria jurídica e de outra natureza, consultando códigos, leis, jurisprudência e outros documentos para adequar os fatos à legislação aplicável;
  • VI – elaborar, quando solicitado, documentos jurídicos, pronunciamentos, minutas e informações sobre questões de natureza administrativa e jurídica, aplicando a legislação, a forma e a terminologia adequadas ao assunto, em processos administrativos sob sua responsabilidade;
  • VII – estabelecer interpretação de normas e decisões judiciais, orientando a utilização ou adoção de medidas legais na esfera administrativa;
  • VIII – proceder à análise de requerimentos e autos de processos que lhe sejam encaminhados;
  • IX – informar e emitir parecer, indicando a fundamentação jurídica na legislação, na doutrina e na jurisprudência, submetendo os processos administrativos e judiciais às autoridades superiores, instruindo-os para decisão final;
  • X – elaborar, quando solicitado, relatórios e minutas de atos oficiais e de projetos de lei, com as respectivas mensagens;
  • XI – elaborar e apresentar relatórios periódicos relacionados as suas atividades e do seu setor de trabalho.

Analista de Sistemas

O Analista de Sistema, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão analisar e manter os sistemas, banco de dados, a rede de telecomunicações (intranet e internet) e as rotinas de suporte técnico aos usuários, desenvolver sistemas, elaborar e gerenciar projetos, realizar perícias técnicas na área de tecnologia da informação, estudar necessidades, possibilidades e métodos para assegurar a exatidão e rapidez dos diversos tratamentos de informações, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – utilizar e manter os métodos, procedimentos, sistemas, aplicativos e equipamentos homologados pela Coordenadoria;
  • II – realizar a gestão de projetos de desenvolvimento de sistemas de informação finalísticos e corporativos, incluindo a análise, a implementação, os testes, a manutenção e a documentação de acordo com as metodologias, normas, técnicas e padrões adotados na organização;
  • III – identificar as necessidades dos diversos setores da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso e apresentar resultados para formular um plano de trabalho;
  • IV – realizar estudos sobre a viabilidade da utilização de sistemas informatizados e verificar o desempenho do sistema proposto, levantando os recursos disponíveis e necessários, realizando experiências práticas para submetê-los à decisão superior;
  • V – estabelecer os métodos e procedimentos possíveis, idealizando ou adaptando os conhecidos, segundo sua economicidade e eficiência, para obter os dados que se prestam ao tratamento informatizado;
  • VI – preparar diagramas de fluxo e outras instruções referentes a sistemas informatizados e desenvolver sistemas segundo linguagem apropriada, bem como orientar os programadores e outros trabalhadores envolvidos na operação de microcomputadores;
  • VII – realizar a gestão de projetos de instalação, configuração e manutenção dos serviços de rede, bancos de dados e ambientes operacionais, monitorando os níveis de qualidade;
  • VIII – coordenar as atividades de profissionais que realizam as diferentes fases da análise do problema, as definições das soluções, o detalhamento das soluções, a codificação do problema, teste de programa e eliminação de erros;
  • IX – emitir laudos técnicos, pareceres e perícias sobre assunto de sua área de competência; X – prestar serviços afetos a sua área de atuação, podendo ser lotado em quaisquer dos Núcleos ou setores administrativos sistêmicos da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso sempre que verificada tal necessidade, por determinação superior, respeitando a unidade jurisdicional para o qual o servidor foi aprovado no concurso;
  • XI – atuar em qualquer das gerências que compõe a Coordenadoria de Tecnologia da Informação, quando ali lotado;
  • XII – estabelecer e monitorar processos, normas e padrões para o desenvolvimento de sistemas e para a infraestrutura tecnológica, inclusive o modelo corporativo de dados e os relacionados à segurança da informação e comunicação e dos serviços de suporte e infraestrutura;
  • XIII – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos pela autoridade competente;
  • XIV – fornecer informações relacionadas ao uso dos serviços de rede na forma de relatórios gerenciais;
  • XV – participar de pesquisas e/ou desenvolvimento de novas técnicas alinhadas ao planejamento estratégico da Defensoria Pública;
  • XVI – identificar necessidades da organização e prospectar soluções tecnológicas disponíveis no mercado, elaborando e validando especificações técnicas para contratação;
  • XVII – realizar a gestão e a implementação da governança de TI;
  • XVIII – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
  • XIX – administrar ferramentas relacionadas à segurança digital e à lógica da rede corporativa;
  • XX – participar de atividades de suporte técnico e capacitação de usuários e desenvolvedores, zelando pela qualidade do atendimento em sua área de atuação

Arquiteto

O Analista Arquiteto, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão desempenhar atividades inerentes à produção técnica e especializada, referentes a projetos de edificações, conjuntos arquitetônicos e monumentos, arquitetura paisagística e de interiores, ao planejamento físico, local, urbano e regional, seus serviços afins e correlatos, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – supervisionar, coordenar e orientar de forma técnica os projetos de Arquitetura;
  • II – realizar estudo e planejamento, projeto e especificação de Arquitetura;
  • III – estudar a viabilidade técnico-econômica para projetos de Arquitetura;
  • IV – direcionar, executar e fiscalizar obras e serviços técnicos de Arquitetura;
  • V – realizar perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
  • VI – atuar em projetos, convênios e programas de interesse do Defensoria Pública, em conjunto com outras instituições;
  • VII – elaborar orçamento de Arquitetura;
  • VIII – realizar padronização, mensuração e controle de qualidade;
  • IX – conduzir e acompanhar equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção;
  • X – acompanhar a operação, manutenção e instalação de equipamento;
  • XI – elaborar e executar desenho técnico;
  • XII – assistir ou assessorar a contratação dos serviços que envolvam sua área de conhecimento;
  • XIII – acompanhar e fiscalizar a execução de obras e serviços que envolvam sua área de
    conhecimento;
  • XIV – realizar trabalhos que exijam conhecimentos básicos e/ou específicos de informática;
  • XV – assessorar aos membros da Defensoria Pública em processos administrativos, compreendendo a realização de vistorias, perícias, avaliações, análise de documentos, realização de estudos técnicos, coleta de dados e pesquisas, prestando informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios em matérias da área de Arquitetura, indicando a fundamentação
    técnica, métodos e parâmetros aplicados;
  • XVI – elaborar, executar, dirigir e fiscalizar projetos de arquitetura;
  • XVII – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
  • XVIII – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos pela autoridade competente.

Assistente Social

O Analista Assistente Social compõe o apoio especializado de nível superior, tendo suas atribuições regimentais subsidiadas pelas legislações pertinentes à área de atuação do Serviço Social, de modo a atender às demandas relacionadas às expressões da questão social por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – prestar atendimento social aos assistidos;
  • II – apresentar manifestação técnica na área de Serviço Social por meio de elaboração de estudo/
    relatórios e/ou pareceres sociais;
  • III – assessorar os Defensores Públicos, assessores e servidores em matérias de competência do Serviço Social;
  • IV – encaminhar, orientar e esclarecer os assistidos sobre as atribuições da Defensoria Pública, a rede de serviços e o acesso a direitos, realizando os encaminhamentos necessários para a garantia de direitos do assistido;
  • V – participar da elaboração, implementação, supervisão e execução de projetos internos e institucionais relativos à atuação da Defensoria Pública na área do Serviço Social;
  • VI – participar de comissões, fóruns, seminários e grupo de estudos na área do Serviço Social;
  • VII – participar e promover encontros de articulação da rede socioassistencial e de atenção à saúde, objetivando o acesso aos direitos pela população usuária dos serviços;
  • VIII – realizar levantamento, de forma contínua, dos serviços/recursos existentes na comunidade visando conhecer a rede socioassistencial, serviços de saúde e demais políticas públicas existentes na rede de serviços;
  • IX – realizar visitas domiciliares e institucionais, sempre que o profissional considerar necessário;
  • X – organizar e manter registro e documentação atinentes ao serviço social, respeitando as normas do código de ética profissional;
  • XI – supervisionar os estagiários de Serviço Social.

Contador

O Analista Contador, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão organizar, dirigir e executar os trabalhos inerentes à contabilidade, planejando, supervisionando, orientando sua execução e participando destes, de acordo com as exigências legais e administrativas, para apurar os elementos necessários à elaboração orçamentária, ao controle financeiro e registros da situação patrimonial e financeira, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I- planejar o sistema de registros e operações, atendendo às necessidades administrativas e às exigências legais, para possibilitar o controle contábil e orçamentário;
  • II – supervisionar os trabalhos de contabilização dos documentos, analisando- os e orientando seu processamento, para assegurar a observância do plano de contas adotado;
  • III – controlar e participar os trabalhos de análise e conciliação de contas, conferindo os saldos apresentados, localizando os possíveis erros para assegurar a correção das operações contábeis;
  • IV – proceder ou orientar a classificação e avaliação de despesas, examinando sua natureza, para apropriar custos de bens e serviços;
  • V – supervisionar os cálculos de reavaliação do ativo e de depreciação de veículos, máquinas, móveis, utensílios e instalações, ou participar destes trabalhos, adotando os índices indicados em cada caso, para assegurar a aplicação correta das disposições legais pertinentes;
  • VI – organizar e assinar balancetes, balanços e demonstrativos de contas, aplicando as normas contábeis, para apresentar resultados parciais e gerais da situação patrimonial, econômica e financeira da instituição;
  • VII – assessorar a administração superior em problemas financeiros, contábeis, administrativos e orçamentários, dando pareceres à luz da ciência e das práticas contábeis, a fim de contribuir para a correta elaboração de políticas e instrumentos de ação nos referidos setores;
  • VIII – elaborar demonstrativos de execução de despesa, autorização de pagamentos e emissão de empenhos, bem como preparar prestação de contas anual para remessa ao Tribunal de Contas do Estado;
  • IX – elaborar relatórios sobre a situação patrimonial, econômica e financeira da instituição, apresentando dados estatísticos e pareceres técnicos para fornecer os elementos contábeis necessários ao relatório das atividades da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso;
  • X – realizar trabalhos periciais em procedimentos administrativos, inquéritos e processos judiciais;
  • XI – realizar auditorias contábeis, financeiras e administrativas do interesse da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso;
  • XII – acompanhar e dar suporte a diligências para análise de documentos e registros;
  • XIII – participar do planejamento e execução da elaboração orçamentária da Defensoria Pública;
  • XIV – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos
    pela autoridade competente;
  • XV – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente.

Economista

O Analista Economista, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão realizar planejamentos, estudos, análises e previsões de natureza econômica, financeira, orçamentária e administrativa, aplicando os princípios e teorias da economia, a fim de formular soluções e diretrizes para os projetos, programas e atividades, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – analisar, projetar e programar o ambiente econômico;
  • II – avaliar impacto de investimentos e das políticas públicas socioeconômicas;
  • III – levantar, sistematizar e interpretar dados, informações e indicadores;
  • IV – efetuar estudos, pesquisas e trabalhos sobre a entrada e saída de recursos (receitas e despesas);
  • V – desenvolver planos de trabalho para a solução de problemas econômicos e financeiros;
  • VI – coletar dados econômicos para formular estratégias adequadas para cada caso;
  • VII – controlar as despesas, comunicando à gerência competente as distorções em relação ao orçamento;
  • VIII – realizar auditorias por designação do Defensor Público-Geral;
  • IX – coletar dados financeiros e estatísticos sobre a receita estadual e elaborar tabelas demonstrativas para a elaboração da proposta orçamentária da Defensoria Pública;
  • X – promover o acompanhamento e o controle financeiro e orçamentário das despesas da Defensoria Pública, para fins de analisar, avaliar e propor alterações no seu orçamento;
  • XI – preparar relatórios e informes sobre a execução financeira e orçamentária e relativos aos planos e programas institucionais;
  • XII – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos pela autoridade competente;
  • XIII – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente.

Engenheiro Civil

O Analista Engenheiro Civil, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão desempenhar atividades inerentes à elaboração de projetos de edificações, bem como o planejamento físico local, urbano e regional e seus serviços afins e correlatos, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – supervisionar, coordenar e orientar de forma técnica os projetos de Engenharia;
  • II – realizar estudo e planejamento, projeto e especificação de Engenharia;
  • III – estudar a viabilidade técnico-econômica para projetos;
  • IV – direcionar, executar e fiscalizar obras e serviços técnicos;
  • V – realizar perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
  • VI – realizar análise, experimentação, ensaio, divulgação técnica e extensão;
  • VII – elaborar orçamento de Engenharia;
  • VIII – realizar padronização, mensuração e controle de qualidade;
  • IX – conduzir e acompanhar equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção;
  • X – acompanhar a operação, manutenção e instalação de equipamento; XI – elaborar e executar desenho técnico;
  • XII – assistir ou assessorar à contratação dos serviços que envolvam sua área de conhecimento;
  • XIII – acompanhar e fiscalizar a execução de obras e serviços que envolvam sua área de conhecimento;
  • XIV – realizar trabalhos que exijam conhecimentos básicos e/ou específicos de informática;
  • XV – assessorar aos membros da Defensoria Pública em processos administrativos, compreendendo a realização de vistorias, perícias, avaliações, análise de documentos, realização de estudos técnicos, coleta de dados e pesquisas, prestando informações técnicas sob a forma de pareceres, laudos e relatórios em matérias da área de Engenharia Civil, indicando a fundamentação técnica, métodos e parâmetros aplicados;
  • XVI – a atuar em projetos, convênios e programas de interesse do Defensoria Pública, em conjunto com outras instituições;
  • XVII – participar de eventos externos e reuniões técnicas quando determinado pela autoridade competente;
  • XVIII – assessorar tecnicamente comissões, grupos e equipes de trabalho constituídos pela autoridade competente.

Jornalista

O Analista Jornalista, que compõe o apoio especializado de nível superior, tem como missão assessorar o Defensor Público-Geral e os órgãos da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso na avaliação, apuração, produção e divulgação de dados, notas, notícias, matérias e reportagens relacionadas às atividades dos membros e servidores da Defensoria Pública, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – identificar, apurar, redigir e editar informações, dados, declarações, atividades e fatos gerados pelos servidores e membros, de importância e interesse social, com potencial para tornarem-se notícia em veículos de comunicação internos (institucionais) e externos (imprensa);
  • II – redigir e divulgar notícias sobre atos e decisões do Defensor Público-Geral e dos órgãos superiores da Defensoria Pública que tenham impacto na rotina administrativa da Instituição ou na vida do cidadão que depende dos serviços do órgão;
  • III – assessorar o Defensor Público-Geral, membros e servidores da Defensoria a prestarem informações de interesse público, de forma clara, concisa, objetiva, facilitando o relacionamento do órgão com os veículos de comunicação;
  • IV – fazer coleta e arquivo de notícias da imprensa local, regional e nacional (Clipping) que mencionem a Instituição;
  • V – fazer contato com a imprensa para sugerir temas que a Instituição tenha interesse em divulgar. Atender às solicitações de dados, informações e de fontes feitos pela imprensa. Agendar entrevistas nos veículos de comunicação. Solicitar direito de resposta na imprensa, quando for o caso;
  • VI – acompanhar a Administração Superior e defensores públicos para cobrir jornalisticamente eventos, reuniões, encontros, externos e internos, quando solicitado pela autoridade competente;
  • VII – prestar assessoria técnica em comissões, grupos e equipes de trabalho, constituídos pela autoridade competente em atividades relacionadas à área de comunicação;
  • VIII – elaborar planos de trabalho para atuar com base nas demandas solicitadas pela Administração Superior;
  • IX – dar andamento em processos administrativos relacionados à área de comunicação que forem encaminhados para o setor;
  • X – coordenar e/ou ministrar treinamento de mídia (“media training”) para públicos específicos, tais como servidores e defensores.

Psicólogo

O Analista Psicólogo compõe o apoio especializado de nível superior, tendo como missão promover o respeito à dignidade e integridade do ser humano, a partir do conhecimento teórico e técnico da Psicologia aplicado ao âmbito da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, por meio das seguintes atribuições:

  • I – realizar atendimentos psicológicos, de forma individual, em grupo ou em equipe multiprofissional, com o objetivo de auxiliar os sujeitos na compreensão das questões que trazem à Defensoria Pública e suas implicações emocionais;
  • II – elaborar documentos na área do conhecimento da Psicologia que possam subsidiar as decisões dos defensores na proposição de peças judiciais;
  • III – atuar como assistente técnico, elaborando quesitos pertinentes ao saber psicológico, e avaliando documentos produzidos por outros psicólogos no âmbito da Justiça, contestando-os e pedindo esclarecimentos quando necessário;
  • IV – participar de audiências, prestando informações para esclarecer aspectos técnicos em psicologia a leigos ou a operadores do direito, principalmente naqueles casos em que o assistido necessita de apoio;
  • V – realizar estudos e pesquisas visando à construção e ampliação do conhecimento psicológico aplicado ao campo do direito e divulgá-las no âmbito da Defensoria Pública e de outras instituições;
  • VI – participar da elaboração, implementação, supervisão e execução de projetos internos
    e institucionais relativos à atuação da Defensoria Pública na área da Psicologia;
  • VII – aplicar o conhecimento da Psicologia para a compreensão, intervenção e desenvolvimento das relações e dos processos intra e interpessoais, intra e intergrupais e suas articulações com as dimensões política, econômica, social e cultural;
  • VIII – participar de comissões, fóruns, seminários e grupos de estudos e trabalho na área da Psicologia;
  • IX – organizar e manter registro e documentação atinentes à Psicologia, respeitando as normas do código de ética profissional;
  • X – delinear os procedimentos técnicos concernentes à Psicologia;
  • XI – supervisionar os estagiários de Psicologia na Defensoria Pública e participar de atividades
    externas relacionadas ao campo de estágio.

Controlador Interno

O Controlador Interno, órgão de administração sistêmica vinculado ao Gabinete do Defensor Público-Geral, tem como missão realizar atividades de controle interno no âmbito da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, visando assegurar a legalidade, legitimidade, transparência e efetividade dos gastos públicos, por meio do desempenho das seguintes atribuições:

  • I – coordenar as atividades do Sistema de Controle Interno;
  • II – elaborar o Plano Anual de Atividades da Unidade de Controle Interno – PAACI para o exercício seguinte, compreendendo o Plano Anual de Auditoria Interna;
  • III – assinar o Relatório de Gestão Fiscal da Defensoria Pública;
  • IV – elaborar o Relatório de Resultado de Atividades de Controle Interno;
  • V – formular consultas ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso;
  • VI – realizar auditagens periódicas, inspeções e fiscalizações nas unidades administrativas incumbidas da execução orçamentária, financeira, patrimonial e de pessoal (servidores e magistrados);
  • VII – acompanhar a implementação das recomendações ou determinações do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso;
  • VIII – emitir parecer técnico conclusivo das Contas Anuais da Defensoria, segundo as diretrizes constantes no Manual de Orientação para remessa de documentos ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso;
  • IX – emitir parecer no Processo de Tomada de Contas Especial;
  • X – ministrar oficinas nas áreas técnicas da Defensoria, objetivando auxiliar nas atividades práticas, cumprindo a Unidade de Controle Interno o caráter preventivo, orientativo e pedagógico;
  • XI – emitir pareceres, relatórios e certificados.

Resumo do concurso DPE MT

  • Banca: IBFC
  • Inscrições: 9h 20/06 a 23h 25/07/22
  • Cargos: Controlador Interno, Técnico Administrativo e Analista (várias áreas)
  • Níveis: médio e superior
  • Vagas: 28 + CR
  • Remuneração: até R$ 10,6 mil
  • Prova: 25/09/22

Estude para o concurso DPE MT 2022

Para conquistar uma das vagas no concurso da DPE MT você precisa de um bom curso para concurso.  Deixe as apostilas de lado e aprenda com videoaulas! Aqui no Aprova, você tem acesso ao conteúdo que realmente será cobrado na prova dividido em videoaulas de 30 minutos.

Dessa maneira, com um curso online para concurso DPE MT 2022 você saberá o que estudar para o concurso do DPE MT 2022 e aprenderá os temas propostos pelo professor sem que o processo se torne cansativo. E ainda, pode aproveitar os intervalos do seu dia para assistir a uma videoaula e ficar cada vez mais perto da aprovação.

concurso-DPE-MT-2022-_banner-horizontal

Videoaulas de Língua Portuguesa

Como você pôde ver quando falamos sobre as disciplinas presentes no conteúdo programático do edital concurso DPE MT, a Língua Portuguesa está presente. Abaixo preparamos uma playlist com várias videoaulas grátis apresentando assuntos que devem ser alvo de estudo, uma vez que irão cair nas provas. Assista:

Videoaulas de Raciocínio Lógico

Raciocínio Lógico também integra o conteúdo programático do concurso DPE MT. Garantir os acertos certamente fará enorme diferença na pontuação final. E ao contrário do que muitos pensam, a disciplina é fácil de ser compreendida, desde que, claro, seja explicada da maneira certa. É exatamente isso que o Prof. Braian Azael faz nas videoaulas grátis que compõem a playlist abaixo. Confira!

Materiais gratuitos para o concurso DPE MT

A fim de ajudar na sua preparação montamos diversos materiais gratuitos com o que cai na prova do concurso. Você verá quais são os temas mais cobrados e muitos outros materiais grátis! Dessa maneira, acesse o link acima e baixe o conteúdo gratuito agora mesmo.

Em especial, para este concurso, além dos temas mais cobrados, separamos abaixo os conteúdos de edital verticalizado e simulados, confira:

Temas mais cobrados DPE MT

Nos temas mais cobrados, após uma minuciosa análise da banca e também com base no edital e nas estatísticas de incidência de questões, você ficará por dentro dos principais assuntos a serem cobrados em cada disciplina.

Temas mais cobrados DPE MT (em breve)

Edital verticalizado DPE MT

Já o edital verticalizado traz a relação das disciplinas cobradas no conteúdo programático e seus referidos assuntos, de forma ordenada.

Edital Verticalizado DPE MT (em breve)

Checklist de estudos DPE MT

Neste material você vai encontrar um checklist para que você faça um acompanhamento dos estudos, marcando o que já foi estudado e revisado.

Checklist DPE MT (em breve)

Simulados DPE MT

E por fim, o simulado traz questões sobre os conteúdos mais relevantes que estarão presentes na sua prova.

Simulados DPE MT (em breve)

Questões do concurso DPE MT

Além do curso para concurso DPE MT 2022, treinar com provas realizadas em concursos anteriores é, certamente, fundamental para se sair bem na prova do concurso da DPE MT. Então, para deixar a sua preparação ainda mais direcionada, separamos questões de concursos anteriores da DPE MT.

Portanto, aproveite essa oportunidade para testar seus conhecimentos e simular o dia da sua prova, assim, você vai deixar um pouco do nervosismo de lado e ficar mais perto da vaga dos seus sonhos.

Responda questões do último concurso DPE MT

Último concurso DPE MT

Concurso 2016 – Defensor

O último concurso DPE MT Defensor foi realizado em 2016 pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e ofereceu 20 vagas com remuneração inicial era de R$ 19.992,09.

Entre os requisitos exigidos era necessário ter nível superior em direito, além de inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O Concurso Público teve validade de dois anos, e o edital foi prorrogado em 2018 e ficou válido até dezembro de 2020.

Concurso 2014 – Área de apoio

O último concurso DPE MT da área de apoio aconteceu em 2014, com a oferta de 29 vagas para candidatos de nível superior e 80 vagas para candidatos de nível médio. A Fundação Getúlio Vagas (FGV) foi a responsável pela organização.

A remuneração inicial para os cargos de nível superior era de R$ 3.917,39 para a jornada de 40 horas semanais, podendo chegar a R$ 9.553,63 ao final da carreira.

Para o nível médio, a remuneração inicial era de R$ 1.566,96 para a jornada de 40 horas semanais, podendo chegar a R$ 3.819,89 ao final da carreira.

Confira abaixo os cargos e o número de vagas ofertadas:

  • Nível superior
    • Administrador (04)
    • Advogado (06)
    • Analista de Sistemas (02)
    • Arquiteto (01)
    • Assistente Social (04)
    • Contador (06)
    • Economista (02)
    • Engenheiro Civil (01)
    • Jornalista (01)
    • Psicólogo (02)
  • Nível médio
    • Assistente Administrativo (20)
    • Assistente de Gabinete (60)

O certame teve 21.543 inscritos, sendo o cargo de Advogado o mais disputado com 378,67 candidatos por vaga. A validade foi prorrogada por quatro anos a partir da publicação do edital. Um total de 104 aprovados tomou posse e 64% deles foram lotados na capital, Cuiabá.

Sobre a DPE MT

No Estado de Mato Grosso a Defensoria Pública foi instalada a partir do decreto 2.262, de 13 de maio de 1998, assinado pelo então governador Dante Martins de Oliveira, porém começou a funcionar em fevereiro de 1999, com 24 Defensores.

A Sede Administrativa está localizada na Rua Engenheiro Agrônomo Arnaldo Duarte Monteiro, S/N – Centro Político Administrativo – Cuiabá/MT. O telefone para contato é o (65) 99967-5793.

Dicas para começar a estudar do zero

Você está começando agora sua trajetória no mundo dos concursos públicos? Então, não perca a chance de iniciar com o pé direito, confira nossas dicas sobre como começar a estudar para concurso do zero. Mesmo se você tem pouco tempo para se preparar, nós te ensinaremos a aproveitar seu tempo para conquistar uma vaga!

Concursos abertos e previstos

Veja os destaques dos concursos abertos e previstos e prepare-se com o Aprova Concursos! Há milhares de oportunidades abertas em diversas em Prefeituras, Tribunais, Polícias (Militar e Civil), e muito mais! E ainda, excelentes oportunidades serão ofertadas em breve em diversos concursos federais.

Prepare-se com o Aprova Concursos

Primeiramente, você ainda não possui nível superior? Aproveite, veja uma lista e escolha seu curso superior ead para ficar bem preparado e conquistar uma excelente vaga nos próximos concursos públicos! Os cursos de pedagogia e serviço social são boas opções para quem está em dúvida e deseja seguir uma carreira de sucesso.

Portanto, como você não tem muito tempo, precisa deixar as apostilas de lado e aprender com videoaulas. No Aprova, você tem acesso ao conteúdo que realmente será cobrado na prova dividido em videoaulas de 30 minutos.

Assim sendo, você aprende o tema proposto pelo professor sem que o processo se torne cansativo. E ainda, pode aproveitar os intervalos do seu dia para assistir a uma videoaula e ficar ainda mais perto da aprovação.

Por fim, é importante ressaltar que cada preparatório é específico para o certame e também para o cargo do seu interesse, como o curso OAB. Confira nosso curso para concurso!

Leia mais notícias

Inscreva-se no YouTube

Curta no Facebook

Siga no Instagram

Compartilhe com
seus amigos

Deixe seu Comentário

RECEBA EM PRIMEIRA MÃO NOTÍCIAS E DICAS SOBRE CONCURSOS