Carregando...
Ir para o conteúdo principal

Questões de concursos

Confira várias questões de diferentes concursos públicos e responda as perguntas para testar o seu conhecimento.


Minhas questões:

Questões com:

Excluir questões:


Carregando...
Carregando...
Carregando...

Carregando...

Exibindo 1 a 1 de 1 questões.

Salvar em Meus Filtros
Imprimir página - Exibindo 1 a 1
Questões por página:
Q251808

Analise os textos a seguir, ambos referidos a teses do “lusotropicalismo” desenvolvidas por Gilberto Freyre desde a década de 1930:
“[o português estava] consciente de uma missão cristã não apenas de boca e de sinal da cruz ou de dia de domingo, mas prática, cotidiana, recorrente. Consciente, portanto, de que essa missão não significava subjugar culturas, valores e populações tropicais para sobre eles reinarem, pelo menos superficialmente, homens, valores, e culturas imperial e exclusivamente europeias, mas importava em obra muito mais complexa de acomodação, de contemporização, de transigência, de ajustamento. De interpretação de valores ou de culturas, ao lado da miscigenação quase sempre praticada.” (Adaptado de: FREYRE, Gilberto. O Luso e o Trópico. Lisboa: Congresso Internacional de História dos Descobrimentos, 1961. p. 14)
“[Em 1956] o Governo português recebeu carta do Secretário–Geral [da ONU] requisitando fossem informados os territórios não autônomos que possuísse. A resposta portuguesa foi a de que Portugal era dividido em províncias, e de que os territórios não contíguos ao território europeu eram províncias ultramarinas. Portugal justificava a manutenção das províncias ultramarinas afirmando que o colonialismo se caracteriza pela dominação de alguns grupos sobre outros, o que não ocorria no caso português; que as Províncias do Ultramar português eram exemplos lapidares de democracia racial, ao contrário de casos como o da Rodésia ou da África do Sul.”
(Adaptado de: LEME, Rafael Souza Campos de Moraes. Absurdos e milagres: um estudo sobre a política externa do Lusotropicalismo (1930–1960). Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011. p. 103.)

Com base na comparação entre os argumentos do sociólogo Gilberto Freyre e as justificativas do governo português diante da ONU, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) Os argumentos de Freyre foram apropriados pelo governo salazarista com o objetivo de legitimar o colonialismo português.
( ) As teses do lusotropicalismo freyreano reforçavam o discurso etnocêntrico e imperialista da missão civilizatória do homem branco.
( ) Tanto as formulações teóricas de Freyre quanto as justificativas do governo português rejeitavam as teorias racistas como as que fundamentavam regimes de apartheid vigentes na época.
As afirmativas são, respectivamente,

Carregando...
GABARITO:

  • 1) C
© Aprova Concursos - Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1482 - Curitiba, PR - 0800 727 6282