Carregando...
Ir para o conteúdo principal

Questões de concursos

Confira várias questões de diferentes concursos públicos e responda as perguntas para testar o seu conhecimento.


Minhas questões:

Questões com:

Excluir questões:


Carregando...
Carregando...
Carregando...

Carregando...

Exibindo 1 a 14 de 14 questões.

Salvar em Meus Filtros
Imprimir página - Exibindo 1 a 14
Questões por página:
Q456054

O termo "que" NÃO é um pronome em:

Carregando...
Q456061

Atente para as afirmativas abaixo relativas a pontuação.

I.Pode-se acrescentar uma vírgula imediatamente após amar, na segunda estrofe, sem prejuízo para a correção.

II.As vírgulas empregadas imediatamente antes de rancor e após solidão, na terceira estrofe, podem ser substituídas por travessões, sem prejuízo para a correção.

III.O último verso poderia vir precedido de dois-pontos ou travessão, já que constitui uma explicação do termo antecedente logrador.

Está correto o que consta em

Carregando...
Q456053

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

O segmento sublinhado que introduz uma explicação encontra-se em:

Carregando...
Q456060

No poema,

Carregando...
Q456058

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

... que a mim lembrava vagamente um olho. (2º parágrafo) ... que me restava na palma da mão... (3º parágrafo) ... o prazer de encontrá-las. (5º parágrafo) Os elementos sublinhados acima referem-se, na ordem dada, a:

Carregando...
Q456057

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

Está correto o que se afirma em:

Carregando...
Q456052

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

No segmento de que árvore ou arbusto caíam aquelas

sementes vermelhas (3º parágrafo), o termo sublinhado

pode ser substituído corretamente por:

Carregando...
Q456056

Quanto à ocorrência de crase, considere as frases abaixo.

I. No segmento ... encontrar um mulungu em meio à vegetação... (2º parágrafo), pode-se substituir corretamente o elemento sublinhado por “por entre", sem que nenhuma outra alteração seja feita.


II. No segmento Disse isso à minha avó e ela riu... (3º parágrafo), pode-se suprimir o artigo definido sem prejuízo para o sentido e a correção.


III. Uma redação correta para o segmento ... na hora de ir para casa (3º parágrafo), caso se substitua a preposição "em" por "a", é: "à hora de ir para casa".


Está correto o que consta em

Carregando...
Q456051

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

Atribuindo-se sentido hipotético para o segmento E é curioso que nunca tenha sabido ao certo de onde eles vinham... (3º parágrafo), os verbos devem assumir as seguintes formas:

Carregando...
Q456049

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

De acordo com o texto,

Carregando...
Q456055

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade de mulungus... (3º parágrafo) Na frase acima, alterando-se de voz passiva sintética para analítica, a forma verbal resultante é:

Carregando...
Q456050

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

A expressão olhos mínimos (3º parágrafo)

Carregando...
Q456048

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 11,

leia o texto abaixo.



Nasci na Rua Faro, a poucos metros do Bar Joia, e,

muito antes de ir morar no Leblon, o Jardim Botânico foi meu

quintal. Era ali, por suas aleias de areia cor de creme, que eu

caminhava todas as manhãs de mãos dadas com minha avó.

Entrávamos pelo portão principal e seguíamos primeiro pela

aleia imponente que vai dar no chafariz. Depois, íamos passear

à beira do lago, ver as vitórias-régias, subir as escadarias de

pedra, observar o relógio de sol. Mas íamos, sobretudo, catar

mulungu.

Mulungu é uma semente vermelha com a pontinha preta,

bem pequena, menor do que um grão de ervilha. Tem a casca

lisa, encerada, e em contraste com a pontinha preta seu

vermelho é um vermelho vivo, tão vivo que parece quase estranho

à natureza. É bonita. Era um verdadeiro prêmio conseguir

encontrar um mulungu em meio à vegetação, descobrir

de repente a casca vermelha e viva cintilando por entre as lâ-

minas de grama ou no seio úmido de uma bromélia. Lembro

bem com que alegria eu me abaixava e estendia a mão para

tocar o pequeno grão, que por causa da ponta preta tinha uma

aparência que a mim lembrava vagamente um olho.

Disse isso à minha avó e ela riu, comentando que eu era

como meu pai, sempre prestava atenção nos detalhes das

coisas. Acho que já nessa época eu olhava em torno com olhos

mínimos. Mas a grandeza das manhãs se media pela quantidade

de mulungus que me restava na palma da mão na hora de

ir para casa. Conseguia às vezes juntar um punhado, outras

vezes apenas dois ou três. E é curioso que nunca tenha sabido

ao certo de onde eles vinham, de que árvore ou arbusto caíam

aquelas sementes vermelhas. Apenas sabíamos que surgiam

no chão ou por entre as folhas e sempre numa determinada região

do Jardim Botânico.

Mas eu jamais seria capaz de reconhecer uma árvore de

mulungu. Um dia, procurei no dicionário e descobri que mulungu

é o mesmo que corticeira e que também é conhecido pelo nome

de flor-de-coral. ''Árvore regular, ornamental, da família das leguminosas,

originária da Amazônia e de Mato Grosso, de flores

vermelhas, dispostas em racimos multifloros, sendo as sementes

do fruto do tamanho de um feijão (mentira!), e vermelhas

com mácula preta (isto, sim)'', dizia.

Mas há ainda um outro detalhe estranho – é que não me

lembro de jamais ter visto uma dessas sementes lá em casa. De

algum modo, depois de catadas elas desapareciam e hoje me

pergunto se não era minha avó que as guardava e tornava a

despejá-las nas folhagens todas as manhãs, sempre que não

estávamos olhando, só para que tivéssemos o prazer de encontrá-las.

O fato é que não me sobrou nenhuma e elas ganharam,

talvez por isso, uma aura de magia, uma natureza impalpável.

Dos mulungus, só me ficou a memória − essa memó-

ria mínima.

(Adaptado de: SEIXAS, Heloísa. Semente da Memória. Disponível

em: http://heloisaseixas.com.br)

Com respeito à pontuação, atente para as seguintes afirmações:

I. Na frase Conseguia às vezes juntar um punhado,

outras vezes apenas dois ou três (3º parágrafo),

pode-se acrescentar uma vírgula imediatamente

antes de apenas, mantendo-se a correção e o sentido.

II. No 4º parágrafo, os parênteses indicam juízos da

escritora, que, portanto, não constam da definição

encontrada no dicionário.

III. No segmento O fato é que não me sobrou nenhuma e

elas ganharam, talvez por isso... (5º parágrafo), pode-

-se acrescentar uma vírgula imediatamente antes de

"e", sem prejuízo para a correção e o sentido.

Está correto o que consta em

Carregando...
GABARITO:

  • 1) A
  • 2) B
  • 3) D
  • 4) B
  • 5) A
  • 6) D
  • 7) B
  • 8) E
  • 9) D
  • 10) E
  • 11) E
  • 12) C
  • 13) C
  • 14) D
  •  
  •  
© Aprova Concursos - Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1482 - Curitiba, PR - 0800 727 6282