Carregando...
Ir para o conteúdo principal
Aprova Questões
Milhares de questões atuais de concursos.

Questões de Concurso

Milhares de questões com o conteúdo atualizado para você praticar e chegar ao dia da prova preparado!


Use os filtros abaixo para tornar a sua busca ainda mais específica. Você não precisa preencher todos os campos, apenas os que desejar.

Dica: Caso encontre poucas questões de uma prova específica, filtre pela banca organizadora do concurso que você deseja prestar.
Carregando...
Exibir questões com:
Não exibir questões:
Minhas questões:
Filtros aplicados:
Carregando...

Carregando...

Carregando...
Exibindo questões de 7 encontradas. Imprimir página Salvar em Meus Filtros

Leia o texto a seguir:
“A mudança da corte para o Brasil era um plano muito antigo em Portugal, mas em 1807 o príncipe regente não tinha escolha: ou fugia ou muito provavelmente seria preso e deposto por Napoleão Bonaparte, como aconteceu alguns meses mais tarde com a monarquia espanhola. Se não havia alternativa, também não se justifica o uso de malabarismo semânticos para amenizar ou disfarçar o que de fato ocorreu: uma fuga pura e simples, apressada, atabalhoada, sujeita a erros e improvisações. A pressa foi tanta que, na confusão da partida, centenas de caixas repletas de prata das igrejas e milhares de volumes da preciosa Biblioteca Real, entre outras coisas, ficaram esquecidos no cais de Belém, em Lisboa”.
(GOMES, Laurentino. 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. 2-ed. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007. p.23.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre os antecedentes da vinda da Família Real Portuguesa para o Brasil e as transformações posteriores que decorreram deste ato, considere as afirmativas a seguir:
I – Nesta época Portugal era governado pelo príncipe regente D. João, em lugar de sua mãe D. Maria I, doente mental. D. João tentou contemporizar, lançando mão de um expediente: propôs à Inglaterra que apenas fingiria atender às exigências francesas, ou seja, declararia guerra, fecharia os portos e expulsaria os ingleses apenas aparentemente. Chegou mesmo a propor o casamento de seu filho de nove anos, D. Pedro, com uma sobrinha de Napoleão.
II – Uma das pretensões de D. João ao vir para o Brasil era trazer consigo o acervo da Biblioteca Real, pois temia que ele fosse destruído pelo exército napoleônico. Este zelo com o acervo da Biblioteca Real deve–se ao fato de um terremoto que a destruiu no ano de 1755. Juntamente com a reconstrução da cidade, iniciou–se a restauração do acervo. Posteriormente a acervo foi mandado para o Brasil e ano de 1810, por decisão de D. João, foi fundada, na cidade do Rio de Janeiro, a Biblioteca Real, hoje chamada de Biblioteca Nacional.
III – O Rio de Janeiro passou a contar com estruturas típicas de capital. Foi estabelecida a Biblioteca Real, surgiu a Gazeta do Rio de Janeiro, primeiro jornal a funcionar no Brasil, foram instaladas gráficas e diversos setores de prestação de serviços antes inexistentes.
IV – Em represália pela invasão de Portugal, D. João declarou guerra à França e invadiu a Guiana Francesa, em 1809, devolvendo–a em 1817, após um acordo de paz realizado com Napoleão Bonaparte.
Assinale a alternativa correta:

Carregando...

Levando em consideração a presença da escravidão no Brasil colonial, analise a Veracidade (V) ou Falsidade (F) das proposições abaixo:
( ) Nos primeiros tempos da colonização, a mão-de- obra utilizada foi a indígena, notabilizando-se os bandeirantes paulistas na captura e comercialização dos chamados “negros da terra”. Com a introdução da mão-de-obra africana, não se abandonou por completo a escravização do índio, ainda que houvesse legislação proibitiva a esse respeito.

( ) Segundo um observador da época, os escravos “eram as mãos e os pés dos senhores”, isso porque de modo geral os colonos não eram afetos ao trabalho braçal, posto que sua pratica poderia imporlhes restrições a ocupação de postos de destaque na sociedade a que pertenciam.

( ) A Igreja combatia com veemência o uso do trabalho escravo africano na Colônia, sendo a atuação do Padre Vieira merecedora de destaque a esse respeito. Para Vieira, o batismo dos escravos na fé católica era motivo mais que justifcável para emancipa-los do cativeiro.

( ) A prática livre da alforria foi muito comum durante todo o período colonial e, era entendida, de forma geral, como uma ação caritativa. Fazia-se também uso da coartação, que consistia na concessão da liberdade mediante o pagamento em parcelas por parte do cativo. Quando o pagamento era fnalizado, o escravo recebia sua carta de liberdade.
Assinale a alternativa que preenche CORRETAMENTE os parênteses, de cima para baixo:

Carregando...

No ano de 1817, na Província de Pernambuco, deu-se uma revolta contra o governo de D. João VI que ficou conhecida como

Carregando...

A vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808, produziu uma série de alterações nas relações entre Metrópole e Colônia. Dentre as alternativas abaixo, assinale aquela que CONTÉM eventos associados à presença da corte no Brasil:

Carregando...

Com base no trecho acima, é CORRETO afrmar que

Carregando...

A elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves foi uma medida tomada pelo Regente D. João, com o objetivo

Carregando...

A elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, em 1815, está ligada ao (à):

Carregando...
GABARITO:

  • 1) C
  • 2) B
  • 3) E
  • 4) A
  • 5) C
  • 6) D
  • 7) E
  •  
© Aprova Concursos - Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1482 - Curitiba, PR - 0800 727 6282