Aprova Concursos - Blog

Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

Pedido para 7.351 vagas no INSS é retomado

Publicado em 4 de julho de 2016 por - 49 Comentários

O protocolo do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com previsão orçamentária para um novo concurso teve andamento na última semana no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

De acordo com notícia divulgada em abril, a solicitação é para abertura de 7.351 vagas, sendo 1.530 no cargo de perito3.627 para técnico do seguro social e 2.194 para analista do seguro social.

Para o ministro do MPTS, Miguel Rossetto, a expectativa é que o aval para o novo certame saia ainda no decorrer deste ano. “O decreto e o concurso vão fortalecer nossa capacidade de acolhimento e atendimento às pessoas num momento de dificuldade quando estão afastadas do trabalho por questões de saúde ou por acidente”, afirmou Rossetto.

Divulgado resultado de concurso com 950 vagas
Na última semana, o INSS divulgou o resultado final das provas objetivas e as justificativas de alteração/anulação do gabarito, do concurso que ofereceu 800 vagas de nível médio, para Técnico do Seguro Social e 150 oportunidades de nível superior, para Analista do Seguro Social – Especialidade: Serviço Social. As remunerações iam de R$ 4,8 mil a R$ 7,4 mil e a lotação será em diversas cidades brasileiras.

Sobre o Concurso INSS 2015-2016

• Inscrição: 10h 04/01/2016 a 22/02/2016
• Cargos: Técnico e Analista – Serviço Social
• Vagas: 950
• Nível: médio e superior
• Salário: R$ 4.886,87 e R$ 7.496,09
• Taxa de Inscrição: R$ 65 (técnico) e R$ 80 (analista)
• Prova: 15/05/2016
• Organizadora: Cespe
Retificação 1
– Retificação 2

Concurso INSS 2015-2016


Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

49 comentários

  • deri

    Acredito que isso aí é mentira, até porque nem concluiu concurso do INSS direito e já vem outro, me desculpe mais isso aí eu não acredito, disseram que a prova da PCPE era de nível médio e no final deu só nível superior, eu falo por mim INSS agora é porque não vai mesmo e se for é só pra levantar dinheiro.

  • Francisco

    Realmente. Tem muito rombo para ser tapado

  • Erika

    Acredito que o mais correto a ser feito é aumentar as vagas desse último concurso, afinal no próprio edital já prevê essa possibilidade.

    • RICARDO ANDRADE DE ABREU

      concordo inteiramente com isso.

    • Miguel

      Concordo. Divulgar necessidade de novas vagas e solicitar novo concurso ao invés de solicitar o aumento das vagas para convocar todos os aprovados no atual certame é desumano e ilógico.

    • Alexandre Galvao Barros

      Vai aumentar os 50% previsto em lei,e eles não saõ loucos de fazer outro concurso, ia chunver mandato de segurança, e hoje o STJ e o STF já tem visto que mesmo fora do número de vaga os candiadtos tem direitos é claro que tem que seguir um rito depois voce da ua olhada no comentário, mais no caso do inss dizem que o deficite chega aa 18.000 e nesse últio foram aprovado 300.000 é possivel a convocação de muita gente. boa sorte!

      • Zolani

        Alexandre Galvão me explica uma coisa, eu fui aprovada no concurso, mas não dentro das vagas deste de 950 para técnico e 150 para analista. Prestei e fui aprovada nos dois. Será que até 2018 terá possibilidade de aumentar estas vagas? Gostei do seu posicionamento e acredito que há possibilidade de impetrar mandado de segurança, caso estas novas vagas sejam aprovadas.

      • Alessandra

        Boa tarde pessoal!
        Nossa é sério isso? Passou 300.000 pessoas? Quem foi aprovado com nota baixa, acho que é quase impossível ser chamado. A esperança e outro saia outro concurso. Aff!

  • Rodrigo

    Pedido tem mesmo, agora aprovação de novo concurao para técnico isso não vai ocorrer por agora acho que só em 2018

  • Rodrigo

    Pedido tem mesmo, agora aprovação de novo concurso para técnico, isso não vai ocorrer por agora, acho que só em 2018

  • Bethania

    Como fica o pessoal em cadastro reserva desse último concurso?

  • robson

    A conclusão que chegamos é que fazem concurso só para levantar fundo para os cursinhos,e para os programadores,pois é simplesmente absurdo,esses cursos são uma mina de dinheiro,aos organizadores,enquanto os candidatos ficam a ver navios…………… Deveria ter prova pratica,colocar o candidato diante da função por dois dias,resolvendo a situação apresentada no dia a dia, e escolherem os melhores,ai sim seria justo….

  • Jorge Ferreira da Silva

    acho que muita gente entrou de otário,quem pagou para concorrer a uma vaga como no RJ acabou fazendo papel de palhaço,mas como brasileiro gosta de ser enganado,vai voltar a concorrer por uma vaga com cerca de 25 mil pessoas como foi neste concurso,só trouxa volta a fazer esse concurso.

  • Roberto

    Não creio que saia outro concurso tão cedo para INSS, mesmo com a suposta carência. Apesar disso, continuo nos estudos, focando nas matérias básicas.

  • Viviane Fontana

    Eu também não consigo ver sentido algum nisso…passei no INSS, minha nota foi só 50, mas passei..pq não chamam quem passou em vez de fazer um novo concurso?

  • marcelo ferreira

    STF mantém decisão que determinou nomeação de defensores públicos no Piauí

    Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) negou provimento ao Recurso Extraordinário (RE) 837311, com repercussão geral reconhecida, interposto pelo Estado do Piauí contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça local (TJ-PI). O acórdão determinou à administração pública a nomeação de candidatos aprovados em concurso para o preenchimento de cargos de defensor público, mas classificados fora das vagas previstas em edital, antes da convocação dos aprovados em concurso posterior.

    No caso concreto, o Estado do Piauí realizou concurso para provimento de 30 vagas para o cargo de defensor público. Além das vagas previstas no edital, foram chamados mais 88 candidatos classificados. A partir daí, ainda dentro do prazo de validade do certame, o estado anunciou a realização de outro concurso público para provimento de novas vagas. A medida foi questionada pelos candidatos classificados no concurso anterior, que impetraram mandado de segurança para garantir seu direito à nomeação.

    O relator do RE 837311, ministro Luiz Fux, observou que, salvo em situações excepcionais, que devem ser devidamente justificadas pela administração pública, os candidatos aprovados em certame prévio devem ter preferência na convocação em relação aos aprovados em concurso realizado posteriormente.

    Para o relator, a aprovação além do número de vagas previstas em edital, passando o candidato a integrar cadastro de reserva, embora não gere a obrigação do Estado, configura expectativa de direito à nomeação. Entretanto, a partir do momento em que “o Estado manifesta inequívoco interesse, inclusive com previsão orçamentária, de realizar novo concurso, o que era mera expectativa de direito tornou-se direito líquido e certo”.

    O ministro destacou que, embora a nomeação de candidatos além das vagas previstas esteja sujeita à discricionariedade da administração pública, deve ser exercida legitimamente de forma a se evitar condutas que, deliberadamente, deixem esgotar o prazo fixado no edital de concurso público para nomear os aprovados em novo certame. Segundo ele, se a administração decide preencher imediatamente determinadas vagas e existem candidatos em cadastro de reserva de concurso ainda válido, o princípio da boa-fé impõe o preenchimento das vagas com esses candidatos.

    O ministro Fux salientou que não se trata de impedir a abertura de novo concurso enquanto houver candidatos ainda não convocados de certame anterior. Segundo ele, o que fica vedada é a convocação, durante o prazo de validade do primeiro, dos candidatos aprovados no certame seguinte, sob pena de se configurar preterição e consequente ofensa ao preceito do artigo 37, inciso IV da Constituição Federal que assegura prioridade de nomeação aos aprovados em concurso anterior ainda em prazo de validade.

    Votaram pelo desprovimento do recurso, além do relator, os ministros Edson Fachin, Rosa Weber, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Marco Aurélio, Celso de Mello e o presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski.

    Divergência

    Em voto pelo provimento do RE, o ministro Luís Roberto Barroso abriu divergência sob o entendimento de que a nomeação de candidatos deve seguir juízo de conveniência do administrador público. Segundo ele, a decisão do TJ-PI viola o princípio da separação de poderes, pois o Judiciário tomou a decisão sobre a conveniência do preenchimento das vagas em detrimento da avaliação do Poder Executivo.

    No entendimento do ministro, salvo em caso de preterição, o candidato aprovado em concurso público fora do numero de vagas aprovadas em edital não tem direito subjetivo à nomeação caso surjam novas vagas durante o prazo de validade do certame. A divergência foi acompanhada pelos ministros Teori Zavascki e Gilmar Mendes.

  • IGOR

    Deveria chamar de acordo com a classificação no último concurso isso se tiver e furada

  • Camila

    O que o Aprova acha disso? É uma notícia verdadeira? Quem estudou para o concurso do dia 15/05 deve continuar se preparando para p concurso do INSS através dessa notícia que o Aprova mesmo postou???

    • Blog Aprova Concursos

      Camila, todas as notícias que postamos são verdadeiras, temos uma equipe de jornalistas responsáveis por elas, No entanto é o pedido, não se sabe quando pode ser autorizado e quando vai sair. Se puder continuar se preparando você sairá na frente dos demais concorrentes.

  • Márcio Paulino Florêncio

    Se realmente há necessidade urgente dessas 7 mil vagas pro INSS, porquê então decreta uma lei ou emenda, para aproveitar os aprovados nesse último concurso. Aí sim, poderia confirmar dessa necessidade. Realmente se lançar outro concurso em cima do que se acaba, tudo indica que será para arrecadar dinheiro para tapar o rombo atual. Quem roubou tem que primeiro ser condenado e presso, em seguida devolver pelo menos o valor que roubou aos cofres públicos.

  • Gleycianne

    Não acredito em um novo concurso agora, os que passaram ainda nem foram classificados, e já falam em outro concurso.
    O certo séria que as pessoas que passaram fosse aproveitadas pra preencher as vagas, já que estão precisando tanto de pessoas no Inss.O mais correto seria chamar quem passou, e caso sobrasse vagas, pensaria em um novo concurso, caso não ouve mais vagas. Entra um novo só pra perito. Essa é só minha opinião.

  • Maykon

    Se realmente isto for verdade, eles pra arrecadarem dinheiro lançarão depois do praso de validade deste último. Uma pura sacanagem prós que estão no cadastro de reserva.. fiquei com 79 pontos e ficam com essas historias pra gerarem expectativas pra nós sonhadores..

  • Doni Benedita Prado

    Muito esquisito. Fazendo os concursandos de bobos. Deve ser pra arrecadação. Descobriram um jeitinho de encher os cofrinhos com o aval da justiça cegueta…

  • Janice Rosa

    Acredito q isso é uma boa notícia para quem ficou como excedente…ou seja, quem classificou conforme o quadro do edital.
    Afinal, não podem fazer outro concurso enquanto houver classificados nesse de 2016.
    Quanto ao cursinho, acho q vale super a pena. INSS foi o meu primeiro concurso, fiz curso no Aprova, me preparei por 1 ano e meio e passei, classificando no número de vagas. Estou super feliz com meu resultado, ficarei entre 5 ou 6 lugar por empate de nota. Super indico o Aprova. Quem quer o INSS , não importa quando sairá tem q começar agora e manter o foco. Esse é o diferencial. Enquanto mil reclamam, vc estuda! Boa sorte a todos!

  • Bethania

    Então não faz sentido algum a realização de concurso para cadastro reserva depois da decisão do ministro.

  • Flavio

    Tambem fui aprovado neste concurso do inss:2016 ,estava aproximadamente uns (20)vinte anos sem estudar .Entretanto me preparei em um periodo de dois meses e meio ,não frequentei nem um cursinho .Porem me dediquei 10 horas de estudo todos os dias no periodo relacionado .Desta forma notifico para com todos q o sucesso só virá atraves de seus esforsos e dedicação ,Independente de terem condições de arcar com cursinhos ou não .!!!!!Boa sorte pra todos vcs !!!

  • alex

    O novo concurso será para contemplar cidades que não estiveram no edital 2015/2016…isso nos da chances de prestar o concurso novamente.

  • Ieda

    Bom dia. Gostaria de saber aonde eu vejo os nomes das pessoas que vão ser chamadas para trabalharem no INSS para este concurso de 2015? Qual site? Obrigada.

  • Ieda

    Boa tarde
    Me desculpe acho que não fui clara na minha pergunta. Gostaria de saber sobre o concurso do INSS que fiz agora no dia 15 de maio de 2016, concurso feito pela Cespe, onde que eu vejo a classificação dos canditados e qual site aparece a convocação dos mesmos. Muito obrigada.

  • Ieda

    Boa tarde. Por favor gostaria de saber onde (em que site) serão convocados e nomeados os candidatos por ordem de classificação do concurso para o INSS feito no dia 15 de maio de 2016. Assim poderemos acompanhar o andamento da fila.

  • Cloris Melo

    Meu pensamento é que o INSS irá chamar todos os CLASSIFICADOS conforme anexo no final do edital. Este foi o último concurso para nível médio. O próximo concurso terá vagas para técnico porém com nível superior. Todos concursos vão exigir nível superior. Ex: se na gerência executiva tinha 21 vagas e no anexo vagas até 56, o inss irá chamar todos os 56 na validade do concurso que termina em dez/2017.
    Quanto a novo concurso onde solicita cerca da 7 mil vagas, sendo 3627 para técnicos, não creio que será lançado edital ainda em 2016. O governo interino devolveu pedido de alguns concursos como Banco Central, ENCINE, IBAMA, Receita segundo fonte no site Folha Dirigida. Pode devolver o do INSS ou não.
    Creio em duas possibilidades:
    1 – devido a previsão de 11 mil aposentadorias de servidores a partir de Dez/2016 até 2019, é possível nomear mais candidatos aprovados deste concurso realizado em 2016, ou,
    2 – lançar edital no final de 2017 para as vagas citadas acima (3627 para técnicos)
    Mesmo que o edital do novo concurso saia antes do fim da validade deste que fizemos, tem que chamar os classificados do de 2015.
    Em último caso, se o governo interino fechar mais de 500 agências conforme informação em sites políticos, pode ocorrer de fatiar o INSS e encaminhar alguns serviços para as prefeituras. Levar o bolsa família pro INSS e os servidores que já trabalhavam como o Bolsa Família.
    É fato que tem atuação politica na instituição e para quem ler o noticiário da Politica, os senadores rodam mundos e fundos para colocar uma agência em sua região eleitoral, dai algumas agências que mais gastam do que recebem beneficiários.
    Em fim, o INSS precisa de servidores, sim. Cabe a nós, que queremos um dia trabalhar na instituição continuar focado, com disciplina para o próximo concurso do INSS ou em paralelo, buscar outros concursos, acrescentado apenas no roteiro de estudo as disciplinas específicas do mesmo.

  • Anne

    Que a notícia é verdadeira não tenho dúvidas. Pq olha no site q está? No aprova e fim de papo. Realmente tem algumas pessoas q passaram nessa prova de 2016 fora do número de vagas. Mas acho q não supriria esse número do pedido. Sem mencionar q a nota foi bem ruim. Daria trabalho até p aprender as funções do cargo. (TT)

    • Alessandra

      Discordo com isso! Já fui terceirizada no INSS por dois anos. E não tive nenhuma dificuldade, Sou bacharel em contabilidade e já prestei o concurso duas vezes não consegui, porém a legislação previdenciária e facílima, o que pega são as outras materias que empata e toma o tempo de todo mundo sem contar que não é todo concurseiro que fica só por conta de estudar. Se chamasse todos seria mais que justo, se não manda outro fazer o quê! Tentar novamente.

  • Cloris Melo

    Srs., a informação que obtive de servidores do INSS é que serão chamados todos os classificados na medida que ocorrerem aposentadorias.
    Foi aprovado nesta semana uma gratificação para os servidores do INSS e a partir de 2017 os servidores que completam 70 anos, em todo Brasil, começam a se aposentar. É uma gratificação que os aposentados vão incorporar 100% até 2017. O INSS não pode nomear os CLASSIFICADOS de uma vez, vai fazer na medida que os servidores forem se aposentando.
    Quanto a chamar mais 50% foram da lista do CLASSIFICADOS, seria 50% de 800 vagas, ou seja, 400 vagas para todo país.
    Como este concurso tem validade de 1 ano, prorrogável por mais 1, com certeza teremos novo concurso pois serão 11 mil aposentadorias de 2017 a 2019. E o edital, presumo eu, deve sair no final de 2017 ou no primeiro semestre de 2018, tempo mais que suficiente para melhorarmos nosso conhecimento
    Agora eu penso que no próximo vai abranger cidades que não foram contempladas ou as que tiveram poucas vagas, como exemplo as cidades do estado do Piauí que só tiveram 2 vagas em todos Estado.

  • Cloris Melo

    Pessoal, dia 03/08 sai o resultado final do inss. A instituição informa que tem carência hoje de 3 mil servidores nas agências de todo pais e mais 11 mil das aposentadorias previstas. Então, vamos continuar estudando. Foco e disciplina, acredito que até 2018 sai o próximo concurso. Tempo excelente para preparação.

  • Miguel

    Estudei com o APROVA e mesmo tendo pouco tempo para estudar ou seja, estava trabalhando e fazendo faculdade, consegui ser aprovado com 47 pontos, As muitas dicas, empenho e bom humor dos professores me ajudaram a ter calma na hora da prova. E não consegui estudar com 100% das video aulas. Super recomendo o APROVA CONCURSOS !

  • Tiago Ramalho Batista

    Ola Galera do Aprova.
    quando eu fiz a prova no domingo retrasado INSS fiquei com 53 pontos e no simulado do gabarito
    extra oficial fiquei com 32º lugar não tenho certeza se eu fui convocado para a perícia médica.
    Técnico Seguro Social mas o concurso e assim na hora do que der e vier.
    Abraço.

  • Alessandra da Silva Mota

    Estudei também com o Aprova, apenas a disciplina de legislação previdenciária, excelente as aulas, consegui a aprovação porém não foi suficiente para ser convocado. Pretendo adquirir o curso para o próximo concurso. Bom seria se o governo convocasse todos os aprovados, pois não é fácil trabalhar, cuidar de casa, criança e ainda estudar. O Governo podia ter dó de nós. E parar de roubar um pouco dá para convocar todos.
    Mas recomendo também o Aprova. Ótima as aulas.

  • GLAUCI

    o certo seria aumentar o numero de vagas desse ultimo concurso, porque ter outro concurso, se há pessoas esperando ainda ser chamado no cadastro de reservas.

  • Cid de Aguiar Rezende

    Concordo com Alessandra da Silva Mota com adendo ; meu resultado no Edital CESP e meu gabarito fiz 49 pontos e fui aprovado na perícia médica , ficando em décimo quarto para uma vaga de Uberaba-MG.Acreditem, quando optei durante a prova e preencher o gabarito pela primeira vez , teria sido aprovado…mas o “bichano´´ do cérebro não ajudou na hora e resolvi preencher todo gabarito com as 120 questões, e ai onde uma questão errada anula uma questão certa deu pau.Acredito que para quem estudou pouco em 3 meses por plano de aulas indicado pelo Aprova nunca deve optar em concursos deste tipo responder o que não tem certeza absoluta.
    Por fim peço uma bolsa ao Aprova para continuar estudando todos os conteúdos e não cair nesta armadilha novamente .
    Meu entendimento é que jamais serei convocado durante a vigência deste concurso INSS 2015/16.

  • Alexandre Galvao Barros

    Olá concurseiros(as), tudo bem?

    O assunto de hoje é de interesse geral para o mundo dos concursos públicos: o direito de nomeação de candidatos aprovados em concursos públicos.

    Não faz muito tempo, a aprovação em concurso era abordada como mera expectativa, não significando qualquer direito à nomeação.

    Felizmente, os nossos tribunais passaram a entender que o candidato aprovado em concurso público, dentro do número de vagas previstas no edital, possui direito subjetivo à nomeação.

    Nessa linha, o Supremo Tribunal Federal firmou entendimento de que o dever de nomeação só não ocorrerá em situações excepcionais, devidamente justificadas, demonstrando-se as seguintes características (598.099/MS):

    a) Superveniência: os eventuais fatos ensejadores de uma situação excepcional devem ser necessariamente posteriores à publicação do edital do certame público;

    b) Imprevisibilidade: a situação deve ser determinada por circunstâncias extraordinárias, imprevisíveis à época da publicação do edital;

    c) Gravidade: os acontecimentos extraordinários e imprevisíveis devem ser extremamente graves, implicando onerosidade excessiva, dificuldade ou mesmo impossibilidade de cumprimento efetivo das regras do edital;

    d) Necessidade: a solução drástica e excepcional de não cumprimento do dever de nomeação deve ser extremamente necessária, de forma que a Administração somente pode adotar tal medida quando absolutamente não existirem outros meios menos gravosos para lidar com a situação excepcional e imprevisível.

    Assim, já é consolidado o entendimento de que existe o direito subjetivo à nomeação de candidato aprovado dentro do número de vagas constante no edital.

    Todavia, um novo tema passou a ser questionado em nossos tribunais superiores: há direito subjetivo à nomeação de candidato aprovado fora do número de vagas?

    O tema é controverso e não há, neste momento, como afirmar qual o posicionamento do Supremo Tribunal Federal. Isso porque as turmas do STF já decidiram de forma divergente, gerando insegurança sobre essa temática.

    Cita-se, por exemplo, o ARE 790.897-AgR (Rel. Min. Ricardo Lewandowski, DJe 7/3/2014) em que a 2ª Turma entendeu que “O direito à nomeação também se estende ao candidato aprovado fora do número de vagas previstas no edital na hipótese em que surgirem novas vagas no prazo de validade do concurso” (g. n.). Por outro lado, a 1ª Turma do STF, no ARE 757.978-AgR (Rel. Min. Luiz Fux, DJe 7/4/2014), decidiu que “a criação de novas vagas durante o prazo de validade de concurso não gera, automaticamente, direito à nomeação dos candidatos aprovados fora das vagas do edital, salvo se comprovados arbítrios ou preterições” (g. n.).

    Percebe-se, portanto, clara divergência no Superior Tribunal Federal.

    No Superior Tribunal de Justiça também há divergência, havendo posicionamento nos dois sentidos. Entretanto, a tendência do STJ é de considerar que o direito subjetivo à nomeação de candidato aprovado fora do número de vagas do edital depende da demonstração de preterição na ordem de nomeação (e.g. AgRg no RMS 34.983/DF).

    O tema não é angustiante apenas para os candidatos nessas situações, mas também para os concurseiros que podem ver tal tema aparecer em sua prova.

    Finalmente, o Supremo Tribunal Federal parece caminhar para, em breve, firmar o entendimento sobre o tema, pois reconheceu a repercussão geral no RE 837.311/PI, em que será discutido se o candidato aprovado fora das vagas do edital possui ou não o direito subjetivo à nomeação.

    Vamos acompanhar o tema, pois certamente é de interesse de todos nós.

    Segue a notícia publicada no Portal do STF em 26 de novembro de 2014:

    Direito à nomeação de candidatos fora do número de vagas tem repercussão geral

    O Supremo Tribunal Federal (STF) analisará o direito subjetivo à nomeação de candidatos aprovados fora do número de vagas previstas no edital de concurso público no caso de surgimento de novas vagas durante o prazo de validade do certame. O Plenário Virtual da Corte reconheceu a existência de repercussão geral no Recurso Extraordinário (RE) 837311, interposto pelo Estado do Piauí contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça local (TJ-PI).

    Na origem, trata-se de mandado de segurança impetrado por candidato que concorreu a vaga para o cargo de defensor público do Estado do Piauí. Conforme o acórdão questionado, a discricionariedade do poder público de nomear candidatos classificados fora do número previsto no edital deixa de existir a partir do momento em que a Administração pratica atos no intuito de preencher as vagas surgidas e demonstra expressamente a sua necessidade de pessoal.

    Em decisão unânime, o TJ-PI entendeu que, se a Administração anuncia a realização de novo concurso dentro do prazo de validade do anterior e nomeia candidatos aprovados fora da ordem classificatória e do limite de vagas do edital, o ato de nomeação dos aprovados, mesmo que além do número inicialmente previsto, deixa de ser discricionário para tornar-se vinculado, convertendo-se a mera expectativa em direito líquido e certo.

    No recurso extraordinário apresentado ao Supremo, o Estado do Piauí sustenta que o acórdão do TJ local violou os artigos 2º; 5º, inciso LV; 37, incisos III e IV, da Constituição Federal. Alega que a decisão atacada seria nula, pois teria determinado a nomeação e posse de candidatos aprovados fora do número de vagas oferecidos no edital do concurso público para provimento de cargos de defensor público estadual, sem comprovação de ter havido preterição.

    Manifestação

    O relator do processo, ministro Luiz Fux, observou que a discussão tem sido decidida de forma divergente pelas duas Turmas do Supremo. Por isso, ele destacou a importância do pronunciamento do Plenário sobre o tema, a fim de que seja fixada tese, “de modo a assegurar a segurança e a previsibilidade necessárias nos inúmeros certames públicos tanto para a Administração Pública quanto para os candidatos aprovados”.

    Para o ministro Luiz Fux, as questões relativas aos concursos públicos são recorrentes “e indicam a relevância da controvérsia travada nos autos, que, de longe, supera os estreitos limites desta lide”. Assim, o relator considerou a existência da repercussão geral da questão constitucional suscitada, manifestação que foi acompanhada, por unânime, em análise realizada por meio do Plenário Virtual.

  • Linamar

    Aprova, fiz o concurso do INSS e pela cota dos 5%, fiquei em sétimo lugar na região São Paulo norte. Dois candidatos entraram na lista de classificados e foi divulgado a lista dos candidatos aprovados nesta condição, assim surgindo mais vagas poderão chamar candidatos desta lista? Lembrando, estudei com o aprova e fiquei satisfeita com o curso. Obrihada

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Linamar,
      Obrigado pelo carinho.
      Para responder a sua pergunta é melhor entrar em contato diretamente com a banca responsável pelo concurso, no caso a Cespe.
      Segue o site: http://www.cespe.unb.br/

      Estamos aqui na torcida.
      Abraços!

Comente:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *