É bom lembrar que, logo no início do governo de Dilma Rousseff, em 2011, foi anunciado um corte de R$ 50 bilhões no orçamento da União e a proibição da realização de novos concursos públicos. Medidas que envolvem cortes no orçamento são comuns em períodos de crise e transições de governo. Em 2008 e 2002 também foram anunciadas medidas semelhantes e, no entanto, os concursos não deixaram de ser realizados, sendo alguns deles, no máximo, adiados.

Porém, ainda em 2011, foram abertos importantes concursos como para o INSS, Procurador da República, Correios, Petrobras, Transpetro, Banco do Brasil, BNDES, MEC, TCU, Senado Federal, além de diversos concursos para tribunais e uma infinidade de concursos promovidos por prefeituras e estados.

A restrição à abertura de novos concursos públicos, caso aconteça de fato, deverá afetar apenas os órgãos diretamente ligados ao governo federal como ministérios, autarquias e secretarias.

Apesar do anúncio, vale reforçar que não devem ser afetados concursos de tribunais, concursos das esferas municipais e estaduais, assim como de instituições bancárias (entre elas Banco do Brasil e Caixa), órgãos como Petrobras e Correios.

Estes e tantos outros concursos independem de autorização do Ministério do Planejamento para serem realizados.

Especialistas alertam ainda que os concursos são extremamente necessários para repor vagas ocasionadas por aposentadorias, falecimentos e exonerações, e que novos servidores precisam ser contratados para que o país possa continuar crescendo. Portanto, alguns concursos considerados prioritários, como o INSS, muito provavelmente não deixarão de acontecer.

Muitas das medidas propostas pelo governo exigirão apoio do Congresso Nacional para se tornarem efetivas. Portanto, a população pode e deve pressionar os congressistas para que as medidas que forem aprovadas não afetem negativamente a vida dos brasileiros.

Confira aqui o anúncio feito pelo governo federal: http://www.planejamento.gov.br/noticias/governo-propoe-medidas-para-atingir-superavit-primario-em-2016

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *