Aprova Concursos - Blog

Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

Aprova Informa 120 – Como usar mapa mental para concurso

Publicado em 4 de agosto de 2015 por - 2 Comentários

Olá, concurseiro! Nesta edição do Aprova Informa vamos falar sobre o mapa mental. Saber como usar este método irá ajudar sua preparação. Inscreva-se no canal do Aprova Concursos no Youtube: https://goo.gl/04zM83

O mapa mental é uma técnica de aprendizagem acelerada que contribui para o desenvolvimento da concentração, expansão de consciência e agilidade mental.

Este método vem sendo cada dia mais usado pelos concurseiros e os dados comprovam a sua eficácia – cerca de 40% dos aprovados utilizam mapa mental nos seus estudos.

O mapa funciona como um resumo, feito de uma maneira diferente da que geralmente costumamos fazer. É um diagrama de informações que são hierarquizadas em estrutura de árvore.

Existem vários softwares que possibilitam fazer mapas mentais informatizados, mas o ideal é usar o tradicional “papel e caneta”. Isso porque fazer o mapa à mão favorece a memorização, além de ajudar o cérebro a sintetizar e organizar as informações do conteúdo estudado.

Mas independentemente da forma como você irá fazer, à mão ou no computador, alguns passos são os mesmos. O primeiro deles é colocar no centro da página o assunto que você está estudando.

Com o assunto em mente, você deve dividi-lo de acordo com os temas centrais. Para cada tema, tentar responder às seguintes perguntas: o que é, como é, para que serve, qual a origem, entre outras.

As respostas para essas perguntas devem ser colocadas no mapa na forma de palavras-chaves e figuras.

Essas palavras e figuras, por sua vez, irão gerar subtemas, que podem levar a outras perguntas e respostas, ou seja, você terá mais palavras-chaves e figuras no seu mapa.

A leitura do mapa é feita sempre no sentido horário, ou seja, da esquerda para a direita. Lembre disso, caso haja alguma hierarquia nas informações ou sequência a ser seguida.

Assim, você irá gerar um diagrama, com várias subdivisões que formam os galhos de sua árvore.

Esse é um modelo que não precisa ser seguido a risca. Você pode adapta-lo conforme suas necessidades.
E atenção para algumas dicas:

– Seja sintético. Escolha palavras e figuras que traduzam bem o conteúdo visto.

– Use diferentes cores de canetinha ou lápis de cor e procure escrever em letra de forma.

-Não se preocupe com a arte das gravuras. O seu mapa pode parecer caótico para os outros, mas deve ser claro para você mesmo.

– Você pode utilizar também símbolos. Um asterisco pode sinalizar algo importante e uma seta, um sinal de alerta, por exemplo.
O mapa-mental é eficiente porque trabalha os dois lados do cérebro. Enquanto o esquerdo fica responsável pelas palavras chaves e organização das informações, o direito é estimulado pelas cores e imagens.

Se for optar em fazer os mapas mentais no computador, há alguns programas para isso como o Freemind, Mind Meister, Mind Mapr e Coggle. Alguns são gratuitos e podem ser usado on-line, sem necessidade de fazer o download do software.

Você também pode fazer o seu mapa mental em seu tablet ou smartphones enquanto assiste a uma aula. Alguns aplicativos foram especialmente desenvolvidos para esses aparelhos. É o caso do Stormboard e do iThoughs HD para IOS e do MindMapping que pode ser baixado tanto em aparelhos IOS como Android.

E o Aprova Informa fica por aqui. E se você tiver alguma sugestão para o programa, mande pra gente. Até a próxima!

Veja aqui outras edições do Aprova Informa: https://goo.gl/KQGKas


Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

2 comentários

  • Felipe

    Ótimo vídeo, mas só para constar..a história do lado esquerdo e lado direito do cérebro até onde se sabe é mito

    • Anderson Kohout

      Realmente o vídeo e o método descritos são muito interessantes. Deixo minha mensagem não para discutir o tema em si, mas apenas para fazer uma consideração em relação à mensagem do nobre colega Felipe. A distinção de funções entre os lados direito e esquerdo do cérebro é a tese mais aceita pela neurologia e neurociência. Esse conhecimento é milenar e já é registrado na literatura da Medicina Chinesa a muito mais tempo do que o advento da neurologia ocidental. Se aceita que o cérebro é dividido em regiões funcionais e na Acupuntura Tradicional Craniana essas regiões são estimuladas para promover a cura de diversos males no organismo através de sua conexão com o cérebro. Muitos casos evidenciam a diferenciação clássica entre os lados direito e esquerdo do cérebro, só para citar um conhecido, vale a pena se lembrar do acidente de Herbert Viana e sua recuperação rápida e inesperada pelos médicos. Quando se refuta ou se coloca em questão alguma tese científica deve-se citar a fonte para que não se assuma um encargo epistemológico por demais exagerado. É fácil dizer que coisas são mitos, por exemplo: posso dizer que é um mito que exista corrupção “debaixo do tapete” do governo estadual de São Paulo, e muitos podem acreditar nisso. Por outro lado, pode aparecer alguém pleno de informações colhidas fora da grande mídia evidenciando e até provando que existe muita corrupção no governo de São Paulo, e que a mesma não vem à tona por conta de um jogo de poder perverso entre determinados partidos políticos e os grandes meios de comunicação. Neste caso, em quem devemos acreditar? Só mesmo aprofundando a pesquisa sobre o tema para formar uma opinião sólida sobre o assunto, não é? Em se tratando de ciência a conduta deve ser a mesma.

Comente:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *