Aprova Concursos - Blog

Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

Gabarito Comentado TJ PR – Língua Portuguesa

Publicado em 24 de maio de 2014 por - 17 Comentários

Confira o gabarito comentado da prova de Língua Portuguesa aplicada neste domingo, dia 18, para os candidatos ao cargo de Técnico Judiciário no concurso do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ PR). Correção e comentários feitos pela professora do Aprova Concursos Daniela Tatarin.

Comentário acerca da prova de Língua Portuguesa – TJ Pr

Daniela Tatarin

Devo começar pela constatação de que o respeito ao ementário foi cumprido à risca. Gostei muito da prova, seleção de textos de temática relevante, interessante e acessível. Com certeza, o direcionamento das aulas ajudou bastante na resolução das questões. Autores já conhecidos, como Marcelo Gleiser, e tiras de personagens recorrentes, como Calvin, além de Bennet na discursiva, integram o conjunto de textos desta prova.

A quantidade de textos também foi adequada, embora esperasse mais alguns textos, de menor extensão. Ainda assim, não prejudicou o conjunto da prova.

Quanto a possíveis recursos, penso não ser o caso, desta vez. Li a prova e mantenho todas as respostas, inclusive a da polêmica questão da paixão ser passageira. Está referência está presente no texto, de forma implícita. Lembrem-se de que o ementário trazia a questão de reconhecimento de informações implícitas e explícitas. Outra questão, de identificação de fato e opinião, também muito me agradou. Mas vamos às respostas, afinal, toda a prova estava ao meu gosto!

Leia o texto a seguir para responder às questões 01 a 05.

Dor de cotovelo tem remédio
Para a ciência, o amor é um fenômeno biológico que pode ser de três subtipos, a paixão, a atração e a ligação afetiva com o 1 objetivo principal de procriar para manter a espécie e aumentar as chances de sobrevivência dos envolvidos, pois dois lutam melhor 2 do que um. Todos esses sentimentos estão relacionados a circuitos neuronais onde há predomínio de um neurotransmissor e, 3 portanto, para modular esses circuitos é preciso controlar o nível desse neurotransmissor dentro do cérebro ou, de preferência, 4 apenas nas regiões interligadas pelo circuito. 5
Paixão, por exemplo, é um sentimento intenso que torna o indivíduo obcecado pelo outro. Essa condição é muito semelhante 6 ao transtorno obsessivo-compulsivo, o TOC, em que o indivíduo tem uma compulsão a repetir um comportamento, como contar 7 objetos, lavar as mãos ou testar as travas das portas diversas vezes antes de sair de casa. Um estudo da doutora Donatella Marazziti 8 comparou o cérebro de 20 indivíduos apaixonados com o de 20 pessoas com TOC e descobriu que os dois grupos apresentavam 9 baixos níveis de uma proteína transportadora de serotonina dentro do cérebro, tornando seu nível mais baixo que o normal. Depois 10 de um ano, quando não estavam mais obcecados pelos parceiros, os cérebros dos apaixonados foram testados novamente e 11 descobriu-se que o nível dessa proteína havia voltado ao normal, assim como o de serotonina. Os novos medicamentos 12 antidepressivos que aumentam os níveis de serotonina melhoram o comportamento de pessoas com TOC, e podem modular as 13 relações afetivas, podendo ser utilizados para minimizar o sofrimento na hora da separação. 14
O doutor Larry Young, da Universidade de Atlanta, na Geórgia, administrou uma droga que bloqueia a ação da oxitocina no 15 sistema nervoso em ratazanas-da-pradaria, Microtus ochrogaster, famosas por sua fidelidade (casais são formados e não se 16 separam por toda a vida; é claro que a vida desses roedores dura apenas dois anos, mas, durante todo esse tempo o casal está 17 sempre junto, um cuidando do outro, e ambos cuidando da cria e do ninho). Et voilà, a droga acabou com o casamento das ratazanas-18 da-pradaria, todas se tornaram poligâmicas. 19
(…) 20
Enfim, existem medicamentos na prateleira que podem tornar as pessoas mais imunes às perdas afetivas, mas seu uso 21 corriqueiro e “preventivo” tem um custo. Reduzir a chance de ligação afetiva pode também tornar as pessoas mais antissociais e 22 dificultar relacionamentos interpessoais.23
(TUMA, Rogério. Carta Capital, 19 fev. 2014. Adaptado.)

01 – Com base no texto, é correto afirmar:
a) Os dois experimentos relatados no texto abordam o mesmo subtipo do amor enquanto fenômeno biológico.
b) Os dois experimentos relatados no texto têm como foco a ação de medicamentos sobre o cérebro de indivíduos apaixonados.
c) As afirmações de Tuma no texto permitem inferir que os indivíduos que receberem os novos antidepressivos para o tratamento do TOC estarão menos propensos a se apaixonar.
d) A abordagem do amor como fenômeno biológico é incompatível com a que o considera uma condição psicológica.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA C. CORRETO

Como o texto relaciona a paixão e o TOC, sobretudo com relação ao medicamento, a conclusão a que o autor chega é a de que o medicamento para o transtorno pode sim interferir nas paixões. Não se esqueça de que inferir é deduzir.

02 – Identifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmativas sobre a organização argumentativa do texto:
( ) A tese do autor está expressa na última frase do primeiro parágrafo e corresponde a duas afirmativas interligadas pelo conector “portanto”.
( ) O experimento relatado no segundo parágrafo tem a função de validar a segunda parte da tese.
( ) O experimento relatado no terceiro parágrafo tem a função de validar a primeira parte da tese.
( ) Na conclusão, o autor adota um ponto de vista sobre o uso dos medicamentos para reduzir o sofrimento associado às perdas afetivas que apresenta diferenças em relação à perspectiva apresentada nos parágrafos anteriores.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.
a) V – V – F – F.
b) V – F – F – V.
c) F – F – V – F.
d) F – V – V – V.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA C. CORRETO.

As duas afirmações falsas estão invertidas.

03 – Considere as seguintes afirmativas sobre expressões empregadas no texto.
1. A expressão “dor de cotovelo” empregada no título não é característica da linguagem predominantemente científica utilizada no corpo do texto.
2. A palavra “remédio” no título do texto é ambígua, tanto pode significar “solução” como “medicamento”, e ambas as leituras mantêm o efeito de coerência entre o título e o corpo do texto.
3. As aspas em “preventivo”, no último parágrafo, assinalam que essa não é a palavra adequada para expressar o sentido pretendido pelo autor.
4. A expressão francesa “et voilà” (“eis aí” ou “aí está”) no terceiro parágrafo, produz um efeito de ironia no relato feito pelo autor.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras.
d) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA D. CORRETO.

Afirmação 1 – a expressão dor de cotovelo pode ser compreendida como dor física ou inveja. Em nenhuma possibilidade tem-se característica de linguagem científica.

Afirmação 2 – a relação de ambiguidade da palavra remédio (medicamento/solução) vem ao encontro da ideia presente no texto de associar ciência (veja o primeiro parágrafo) e comportamento.

Afirmação 3 – não se podem prever decepções e perdas afetivas. Daí decorre a inadequação, o que justifica as aspas.

Afirmação 4 – não confunda ironia com graça. A expressão francesa,  que denota descoberta/felicidade, na verdade apresenta uma afirmação irônica quanto à ação de se acabar com o relacionamento dos ratos.

04 – Com base no texto, é correto afirmar:
a) O uso de medicamentos para mudar o comportamento de pessoas acometidas pelo TOC pode levar os indivíduos a aumentarem o número de parceiros e os relacionamentos afetivos.
b) O comportamento dos casais de ratazanas-da-pradaria é semelhante ao relacionamento de pessoas com o primeiro subtipo do amor (paixão).
c) O estudo realizado pela doutora Marazziti foi possível porque a paixão, que torna o indivíduo obcecado pelo outro, em geral tem duração curta.
d) Abre-se a perspectiva de os medicamentos pesquisados serem usados para minimizar o sofrimento provocado pela perda amorosa, já que não apresentam efeitos colaterais.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA C. CORRETO.

Deve-se levar em consideração o texto, e na linha 11 afirma-se que após um ano a obcessão havia passado, o que coloca a paixão como algo passageiro.

Questão 5 – letra c

Afirmação 1 – o pois refere-se às chances de sobrevivência dos indivíduos.

Afirmação 2 – essa condição retoma a ideia de ser obcecado.

Afirmação 3 – correta

Afirmação 4 – correta

05 – Considere as seguintes afirmativas sobre expressões utilizadas para dar continuidade ao texto:
1. O uso de “pois” (linha 2) introduz uma explicação que abrange a caracterização que o autor faz dos três tipos de amor.
2. “Essa condição” (linha 6) retoma “é preciso controlar o nível desse neurotransmissor dentro do cérebro” (linha 4).
3. A expressão “todas” (linha 19) não se refere a quaisquer ratazanas-do-deserto, mas somente àquelas que foram incluídas no experimento do doutor Young.
4. O uso de “enfim” (linha 21) tem uma função delimitadora e sinaliza o início da conclusão do texto.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA C. CORRETO.

Afirmação 1 – o pois refere-se às chances de sobrevivência dos indivíduos.

Afirmação 2 – essa condição retoma a ideia de ser obcecado.

Afirmação 3 – correta

Afirmação 4 – correta

As questões 06 e 07 têm como base a interpretação do quadrinho abaixo, de Bill Watterson, que coloca em cena os personagens Calvin e Haroldo.

CALVIN

06 – Os elementos verbais e não verbais do quadrinho permitem afirmar que, segundo Calvin:
1. se os seres humanos fossem realmente inteligentes se preocupariam com a preservação ambiental.
2. seres inteligentes procuram fazer contato com outros seres inteligentes.
3. o desmatamento pode ser um atrativo para os extraterrestres, pois poderia facilitar o pouso de suas naves na Terra.
4. as formas de vida inteligente fora da Terra sabem que os humanos são seres perigosos.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente a afirmativa 4 é verdadeira.
b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA B. CORRETO.

Observe que a crítica de Calvin refere-se justamente ao fato de não sermos inteligentes por prejudicarmos a natureza. Não se pode desprezar a imagem de uma árvore cortada.

07 – Um dos recursos mobilizados por Bill Watterson para produzir o efeito de humor é a argumentação de Calvin. Assinale a alternativa que apresenta uma argumentação análoga à do quadrinho.
a) Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem.
b) É evidente que existem discos voadores, pois muitas pessoas já relataram ter visto tais objetos.
c) Fantasmas existem. Prova disso é que nenhum deles apareceu para mim até agora.
d) Um indício claro de que J.J.J. será candidato a governador é que ele declarou não ser candidato.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA C. CORRETO.

Para resolver esta questão, era necessário conhecer o significado do termo análogo (o que se pode comparar). No caso, a lógica da afirmação de Calvin (prova da inteligência é não estabelecer contato com quem não é inteligente) é a mesma presente na afirmação de que a prova de que fantasmas existem é não vê-los.

Leia o texto a seguir para responder às questões 08 a 14.
Por que tanta pressa?
A primeira palavra que me vem em mente quando penso na vida moderna é dispersão. Existe uma competição constante 1 pela nossa atenção entre os produtores de novas tecnologias, de comida, de roupas; há uma necessidade crescente de estarmos 2 “ligados” com o que está acontecendo, e já não basta rádio e televisão; tem que ser pelo Facebook, pelo Twitter, pelo Google Plus 3 e um bando de outras redes sociais. 4
Cada instante é ocupado por algo que vemos numa tela, pequena ou grande. A informação vem em torrentes incessantes. 5 Se esquecemos nosso celular em casa, é como se tivéssemos perdido um dedo ou outra parte do corpo. Os celulares tornaram-se 6 parte integral de nossa existência, um apêndice tecnológico que nos define como indivíduos. Tornaram-se um vício, como 7 verificamos assim que pousa um avião e todo mundo se precipita para ligar seu iPhone ou seu Galaxy, como se naquele voo de 45 8 minutos a história do mundo tivesse se transformado de forma profunda e aquele e-mail que mudará a sua vida tivesse finalmente 9 chegado. 10
Não nos permitimos mais espaço para a contemplação. 11
Sei que isso está parecendo papo de velho, atravancado com os avanços tecnológicos. Mas não é nada disso; eu mesmo 12 tenho todos os brinquedos tecnológicos que existem e os uso como todo mundo, com muito prazer. Portanto, essa reflexão é para 13 mim também, mesmo se digitada em meu laptop. 14
Muita gente me pergunta se o tempo está mudando, passando mais rápido. Essa é uma percepção psicológica da passagem 15 do tempo, que nada tem a ver com a passagem física do tempo. A duração do dia muda muito lentamente, e muda no sentido 16 inverso, aumentando e não diminuindo, devido à fricção gravitacional das marés causadas pelas atração entre Terra, Lua e Sol. 17
O tempo está passando mais rapidamente, ou assim o percebemos, porque cada vez temos menos controle sobre ele. O 18 ócio é algo que consideramos quase que pecaminoso (esquecendo os pecados capitais); qualquer brecha de tempo nós enchemos 19 com uma leitura no Twitter, do Facebook, de e-mail, um videozinho no YouTube, ou um podcast qualquer. 20
Uma das maiores vítimas dessa correria moderna é nossa conexão com a natureza. 21
Na ânsia pela informação, pouco desviamos os olhos das telas. Olhar para o céu é algo que raramente fazemos, 22 especialmente nas grandes cidades. Para a maioria das pessoas a natureza é um conceito, algo que existe lá longe, nas fotos que 23 vemos nas revistas, ou nos vídeos do YouTube e especiais de TV. 24
Para resgatarmos nosso controle sobre o tempo é necessário retornarmos à natureza, criarmos espaço para a contemplação 25 das formas de vida, das árvores, das flores e animais; é necessário olharmos para o céu noturno, longe das luzes da cidade. Assim 26 conseguiremos desacelerar, buscando outro tipo de informação que nos liga ao que temos de mais essencial: nossa relação com 27 os ciclos e ritmos do Cosmo.28
(GLEISER, Marcelo. Folha de S. Paulo, 08 dez 2013. Adaptado.)
08 – A partir do ponto de vista do autor do texto, é correto afirmar:
a) Há efetivamente uma mudança física na duração dos dias, que se tornam mais curtos, embora em um ritmo muitíssimo mais lento do que a mudança correspondente na percepção psicológica.
b) O fator determinante para a dispersão na vida moderna é a disponibilidade de informações e os recursos tecnológicos que permitem o acesso constante a elas.
c) Uma das vantagens da vida moderna é o volume de informações e lazer propiciados pela tecnologia.
d) Um caminho para melhorar a qualidade de vida é substituir o contato virtual com a natureza pelo contato real, longe das cidades, e evitar o uso de recursos tecnológicos no cotidiano.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA B. CORRETO.

A temática do maravilhoso texto de Gleiser é justamente não sabermos organizar nosso tempo diante de tantos recursos tecnológicos.

09 – Identifique se os seguintes trechos do texto são apresentados pelo autor como fatos (F) ou opiniões (O):
( ) “Os celulares tornaram-se parte integral de nossa existência, um apêndice tecnológico que nos define como indivíduos”. (linhas 6-7)
( ) “(…) como verificamos assim que pousa um avião e todo mundo se precipita para ligar seu iPhone ou seu Galaxy (…)”. (linhas 7-8)
( ) “Muita gente me pergunta se o tempo está mudando, passando mais rápido”. (linha 15)
( ) “O ócio é algo que consideramos quase que pecaminoso (…)”. (linhas 18-19)
( ) “O tempo está passando mais rapidamente, ou assim o percebemos, porque cada vez temos menos controle sobre ele”. (linha 18)
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.
a) O – O – O – F – F.
b) F – O – F – O – F.
c) F – F – O – F – O.
d) O – F – F – O – O.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA D. CORRETO.

Observe que o fato é narrado, ao passo que a opinião, no texto, aparece em primeira pessoa.

10 – “Uma das maiores vítimas dessa correria moderna é nossa conexão com a natureza” (linha 21). Segundo o autor, a conexão com a natureza é vítima porque:
a) o contato real com a natureza foi substituído pelo contato virtual.
b) o ambiente urbano não tem espaço para plantas e animais.
c) a conexão com a natureza é incompatível com a tecnologia.
d) desligar os equipamentos eletrônicos e contemplar a natureza seria um retrocesso.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA A. CORRETO.

Comprova-se a resposta nas linhas 21 a 24.

11 – Assinale a alternativa que apresenta uma resposta adequada à pergunta no título do texto.
a) Porque precisamos tanto nos manter informados quanto garantir tempo livre para o lazer e a contemplação.
b) Porque a comunicação com os amigos pelas redes sociais é essencial para nossa vida.
c) Porque o contato com as pessoas e com a natureza atualmente é mediado pelas novas tecnologias.
d) Porque a dispersão produzida pelas novas tecnologias nos fez perder o controle sobre o tempo.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA D. CORRETO.

A contemplação é a sugestão do texto, o que invalida a alternativa a. Não se faz menção ao fato de a comunicação via redes sociais ser essencial, elo menos não somente, o que invalida a alternativa b e, por fim, não há contato mediado com a natureza, segundo o autor, não há contato algum.

12 – Considere as seguintes afirmativas sobre expressões empregadas como recursos coesivos para a continuidade do texto:
1. “Como se” (linha 8) introduz uma afirmação que se contrapõe ao anteriormente dito.
2. “Mesmo se” (linha 14) introduz uma afirmação que complementa e confirma o anteriormente dito.
3. “Ou” (linha 18) introduz uma retificação, que coloca em evidência o conceito de tempo psicológico.
4. “Assim” (linha 26) equivale a “dessa forma” e introduz uma afirmação que complementa e conclui o anteriormente dito.

Assinale a alternativa correta.
a) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA D. CORRETO.

Não se pode resolver este tipo de questão sem retornar ao texto. A afirmação 1, única incorreta, apresenta  “como se” equivocadamente. Trata-se de uma explicação.

13 – Ao longo do texto, observa-se uma alternância entre formas (pronomes ou verbos) de primeira pessoa do singular, de primeira pessoa do plural e de terceira pessoa. Considere as seguintes afirmações sobre esse uso:
1. A primeira pessoa do plural é predominante e revela que o autor inclui a si próprio e aos leitores na maior parte de suas afirmações.
2. Em três parágrafos do texto, o autor faz afirmações específicas sobre si mesmo, o que é marcado por formas de primeira pessoa do singular.
3. A primeira pessoa do plural no texto abarca, além do autor e do leitor, uma infinidade de outras pessoas que compartilham as mesmas experiências sobre as quais Gleiser escreve.
4. O uso constante de formas na terceira pessoa do singular marca o distanciamento e objetividade com que o autor aborda o tema.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.

GABARITO OFICIAL DA BANCA- LETRA C. CORRETO.

Observe como a gramática é pano de fundo para resolver questões interpretativas, assim como mencionado nas aulas. O que invalida a afirmação 4 é a palavra constante. Na verdade, o uso de terceira pessoa é moderado e não há distanciamento, uma vez que o autor se inclui no texto.

14 – “Os celulares tornaram-se parte integral de nossa existência, um apêndice tecnológico que nos define como indivíduos”.
As palavras grifadas na frase acima poderiam ser substituídas, sem alteração substancial no significado do texto, respectivamente, por:
a) constituinte – acessório – caracteriza.
b) complementar – item – envolve.
c) integrante – complemento – compete.
d) suplementar – recurso – delimita.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA A. CORRETO.

Substituição semântica foi mencionada na revisão. Sempre aparece e, geralmente, conseguimos resolver por eliminação. Poderia haver dúvida em relação às alternativas a e c, mas a última palavra (define) resolvia a questão.

15 – O gráfico a seguir faz parte do relatório da pesquisa “Tolerância social à violência contra as mulheres”, realizada pelo IPEA, versão retificada publicada em 04/04/2014.

 

GRAFICC

 

 

 

 

 

 

 

Assumindo o pressuposto de que o IPEA tenha analisado uma amostra significativa da população brasileira e tendo como referência as informações contidas no gráfico, assinale a alternativa INCORRETA.
a) Quase todos os brasileiros têm uma opinião formada sobre o comportamento das mulheres que são agredidas e não se separam dos parceiros.
b) Aproximadamente dois terços da população consideram que a mulher agredida pelo parceiro está satisfeita com sua condição.
c) A maioria dos brasileiros tem uma postura machista e tolerante em relação à agressão doméstica contra a mulher.
d) Predominam entre os brasileiros posições moderadas, não categóricas, sobre as mulheres vítimas de agressão doméstica.

GABARITO DA BANCA – LETRA D. CORRETO.

A leitura do gráfico precisava ser muito atenta. Alguns candidatos alegaram ser difícil perceber as referências ao discorda e concorda. Observe que há uma separação com o posicionamento neutro. Portanto, tem-se 32,4% que discordam da afirmação e 65,1% que concordam com ela, o que configura o pensamento machista apresentado na letra c e o aproximadamente 2/3 da letra b. Por fim, levando-se em consideração os 1,9% de neutros, quase todos têm opinião formada quanto ao tema.

Leia o texto a seguir para responder às questões 16 a 20.
Dados e os novos jornalismos
A internet não mudou apenas a forma como absorvemos a informação, mudou a própria informação. E continua mudando, 1 neste exato momento, até o que entendemos por jornalismo. Não se trata mais apenas daquela história de chuva de informação, da 2 morte do jornal, da liberdade e aprisionamento online. Trata-se do fato de que as companhias de comunicação, com atraso, estão 3 começando a entender que esse novo tempo pede um novo tipo de jornalismo. 4
O escritor Clay Shirky contextualiza bem esse cenário, quando diz que há apenas quatro períodos nos últimos 500 anos em 5 que os meios de comunicação social mudaram suficientemente para se qualificarem à denominação de Revolução (palavra tão 6 adorada e mal usada por colegas jornalistas). “O primeiro é a imprensa. Depois, há cerca de duzentos anos houve inovação na 7 comunicação bilateral (telégrafo, depois o telefone). No terceiro, há cerca de 150 anos houve uma revolução nos meios de 8 comunicação gravados com fotos, depois o som gravado, depois os filmes codificados em objetos físicos. E finalmente, o 9 aproveitamento do espectro eletromagnético para enviar som e imagens através do ar, rádio e televisão”. 10
Como pontua Shirky, todas as tecnologias que motivaram essas revoluções têm uma assimetria: quando são boas em gerar 11 conversas, não são boas em gerar grupos, e vice-versa. Se o telefone possibilitou que duas pessoas fossem emissoras e receptoras 12 de informação ao mesmo tempo, não conseguia gerar comunicação com um grupo grande. Do outro lado, se livros, jornais, TV e 13 rádio conseguem passar uma mensagem a milhões, a mensagem tem apenas um emissor, não há idas e vindas, diálogo. 14
É aqui que entraria o que alguns chamam de quinto período de revolução das comunicações: a internet. Se antes o padrão 15 era a comunicação “um pra um” (telefone) ou “um pra muitos” (televisão, rádio, jornais), a web chega e institui um padrão nativo de 16 comunicação “muitos para muitos”. 17
– Tá bom, Tiago. Mas e aí? O que isso tem a ver com as mudanças no jornalismo? 18
Se a comunicação é de muitos para muitos, é natural aparecer um jornalismo nativamente de muitos para muitos. Onde a 19 figura do jornalista em si não fique com o monopólio da informação à qual você, leitor, também tem condições de chegar. Tão natural 20 que já existe. 21
Uma das vertentes que começa a mostrar outros potenciais na comunicação “muitos para muitos” é o chamado “jornalismo 22 de dados”, onde o jornalista, muitas vezes, não cria a história, mas cria maneiras de fazer com que qualquer um construa uma 23 história, ou que todos a construam conjuntamente. 24
Você pode parar neste ponto e perguntar “mas a maneira de criar essas ferramentas, essas interações, não continua 25 direcionando a interpretação do leitor?”. Sim, continua. Mas o leitor tem a liberdade para baixar as bases de dados, criticar, fazer a 26 sua própria interpretação e espalhar. Isso diminui a necessidade da figura do jornalista? Isso é você quem vai me dizer. Não estou 27 certo de que todos tenham tempo e disposição para fazer a sua própria história. Provavelmente essa investigação e construção de 28 uma narrativa do jornalista não seja dispensável. Só não será mais exclusiva dele.29
(MALI, Tiago. Galileu. 29 mar. 2013. Adaptado.)
16 – Este texto foi publicado sob a rubrica “coluna” na revista Galileu. Essa caracterização de gênero o coloca no grupo dos textos de opinião da mídia impressa. A partir dessa perspectiva, a inserção em discurso direto observada após o quarto parágrafo tem como funções:
1. indicar que parte do texto é transcrição de uma entrevista.
2. simular a intervenção de um leitor fictício, que espera encontrar no texto o tema anunciado no início do primeiro parágrafo.
3. demarcar no texto o início de um diálogo mais efetivo com o leitor, que se manifesta nos últimos parágrafos.
4. fazer a transição entre uma linguagem escrita, formal, e uma linguagem coloquial, que passa a ser dominante nos parágrafos finais do texto.
Estão corretas as funções caracterizadas nos itens:
a) 1 e 4 apenas.
b) 2 e 3 apenas.
c) 3 e 4 apenas.
d) 1, 2 e 4 apenas.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA B. CORRETO.

O gênero Coluna pressupõe opinião. O gênero entrevista, embora apresente ponto de vista do entrevistado, pressupõe informação.

Afirmação 1 – não se trata de perguntas e respostas, mas de um recurso chamado pergunta retórica, utilizado como recurso de interação com o leitor.

Afirmação 2 – correta

Afirmação 3 – correta

Afirmação 4 – não há alteração de nível de linguagem no texto.

17 – Tendo como ponto de partida a caracterização feita por Clay Shirky para os períodos da revolução nos meios de comunicação social, numere a coluna da direita de acordo com sua correspondência com a coluna da esquerda.
1. Comunicação unilateral, de um para muitos.
2. Comunicação bilateral, de um para um.
3. Comunicação bilateral, de muitos para muitos.
( ) Primeiro período.
( ) Segundo período.
( ) Terceiro período.
( ) Quarto período.
( ) Quinto período.
Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo.
a) 1 – 2 – 1 – 1 – 3.
b) 1 – 1 – 2 – 1 – 3.
c) 2 – 1 – 1 – 2 – 2.
d) 1 – 2 – 1 – 3 – 3.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA A. CORRETO.

Outra questão que, por eliminação, alcançava-se a resposta. Observe que o texto delimita bem as diferentes comunicações. A internet (de muitos para muitos) compõe o 5º período. O telefone (um para um) compõe o 2º período e televisão, rádio e jornais (um para muitos) o 1º período.

18 – Segundo o texto, a mudança fundamental introduzida no jornalismo a partir da internet foi:
a) dispensar a atuação do jornalista na produção de notícias.
b) possibilitar a construção conjunta de notícias pelo profissional do jornalismo com a colaboração dos internautas.
c) intensificar o monopólio da informação pelas grandes empresas de comunicação.
d) reduzir o custo da produção de notícias, com a colaboração dos internautas para coletar informações.

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA B. CORRETO.

O papel da internet fica explícito nas linhas 22 a 24.

19 – “Como pontua Shirky, todas as tecnologias que motivaram essas revoluções têm uma assimetria: quando são boas
em gerar conversas, não são boas em gerar grupos, e vice-versa”. Aplicando-se essa observação à internet, é correto
afirmar:
a) A internet rompe com a assimetria observada nos demais meios de comunicação.
b) A internet distingue-se das demais tecnologias por não propiciar a geração de conversas nem de grupos.
c) A internet provoca uma reanálise das tecnologias que a antecederam, mostrando que a assimetria não estava presente
no rádio e na televisão.
d) A principal qualidade da internet é facilitar a geração de grupos, ficando a geração de conversas em segundo plano.

GABARITO OFICIAL DA BANCA- LETRA A. CORRETO.

Se a internet propicia muitos para muitos e a interação, logo, por exclusão, rompe a assimetria apresentada ao longo do texto.

20 – Assinale a alternativa correta sobre algumas expressões usadas no texto.
a) “Esse cenário” (linha 5) refere-se ao conjunto de informações contidas no primeiro parágrafo.
b) “Aqui” (linha 15) retoma a expressão “livros, jornais, TV e rádio” (linhas 13-14).
c) “Isso” (linha 18) refere-se a “web” (linha 16).
d) “Essas ferramentas” (linha 25) refere-se a “essas interações” (linha 25).

GABARITO OFICIAL DA BANCA – LETRA A. CORRETO.

Aqui indica tempo. Isso refere-se ao 5º período e essas ferramentas e essas interações são sinônimas no texto.


Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

17 comentários

  • Mariana

    Professora,
    A alternativa “d” da questão 7 não seria correta?
    Entendo que no caso a lógica da afirmação de Calvin é a mesma presente na afirmação de que a prova de que uma pessoa será candidata é o fato de esta externar que não será. É irônica ao mesmo tempo que decorre de pensamento lógico, tal como o pensamento de Calvin.
    Obrigada

  • Fabiana

    É a primeira vez que participo de concurso, errei duas questões de língua portuguesa, é um número aceitável ou posso ser bastante prejudicada?

    • Blog Aprova Concursos

      Fabiana,
      É um número aceitável. Dê uma olhada geral no seu desempenho, os aprovados deverão ter um desempenho igual o maior que 60%.
      Abs 😉

  • Luciane

    Professora,

    As aspas em preventivo, na questão 3, não seriam para indicar ironia? Acho que a palavra foi empregada no seu sentido denotativo e essa era a intenção do autor, mas justamente porque não se podem prever perdas afetivas e amorosas é que ele utilizou as aspas, ironizando o seu sentido.
    Ainda acho que a resposta correta para essa questão é a alternativa C.
    Será que não cabe mesmo recurso?

    • Blog Aprova Concursos

      Luciane,
      Segue resposta da professora:
      Luciane, penso que não. Entendo a colocação feita por você, e algumas vezes, por insistência de recursos, as bancas até cedem, mas neste caso creio ser difícil. Assim como falei, o sentido do termo é aproximado, não o ideal. Não se preveem decepções afetivas.
      Boa sorte com o resultado. Sucesso!
      Prof. Daniela Tatarin.

  • Marcos Tareszkiewicz

    Professora, não é o caso de anular a questão 13? pois os eu(s) não estão em três parágrafos e sim em dois.

    Encontramos no 1º parágrafo um eu oculto, A primeira palavra que me vem em mente quando EU penso na vida moderna é dispersão …

    No 4º parágrafo encontrá-se dois EU(s). Um oculto já no início do parágrafo e outro expresso após o ;

    EU Sei que isso está parecendo papo de velho, atravancado com os avanços tecnológicos. Mas não é nada disso; EU mesmo tenho todos os brinquedos tecnológicos que existem e os uso como todo mundo, com muito prazer. Portanto, essa reflexão é para mim também, mesmo se digitada em meu laptop.

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Marcos,
      Encaminhamos sua dúvida para a professora. Assim que recebermos um retorno colocaremos no Blog!
      Abs 😉

    • Blog Aprova Concursos

      Marcos,
      Segue a resposta da professora:
      Veja, Marcos, a afirmativa diz – “Em três parágrafos do texto, o autor faz afirmações específicas sobre si mesmo, o que é marcado por formas de
      primeira pessoa do singular.”
      Formas de primeira pessoa do singular não significa somente eu. No 5º parágrafo ele usa o “me pergunta” e o me é uma forma de primeira pessoa do singular.
      Boa sorte com o resultado! Sucesso!
      Prof. Daniela Tatarin.

  • Patricia Centurion

    Professora,
    Na questão 5 a terceira opção: ” A expressão “todas” (linha 19) não se refere a quaisquer ratazanas-do-deserto, mas somente àquelas que foram incluídas no experimento do doutor Young.”
    Ela é dada como correta, concordo em relação a expressão “todas”, mas e o fato deles terem usados “ratazanas- do- deserto” não cabe nenhum recurso? Afinal no texto, em nenhuma linha o autor se refere ao animal com esse nome, e através de uma pesquisa não encontrei nenhuma nomeclatura cientifica ou texto que se refira as ratazanas- da -pradaria como ratazanas-do-deserto.

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Patricia,
      Encaminhamos a sua dúvida para a professora. Assim que recebermos um retorno, publicaremos a resposta.
      Abs!

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Patricia,
      Segue resposta da professora:
      Patrícia, acredito que não há a possibilidade de anulação da questão, uma vez que o referente é o termo todos e, diante disso, há resposta.
      Talvez tenha ocorrido um erro de digitação. Vou questionar um amigo biólogo sobre isso, agora fiquei curiosa.
      Boa sorte com o resultado. Sucesso!
      Prof. Daniela Tatarin.

  • Aguinaldo

    Quanto a questão 6, não podemos considerar a afirmativa 4 como também verdadeira?

  • Ricardo Pastro

    Olá professora! Pretendo interpor recurso para a questão n.2 (ver abaixo), mas antes gostaria de ter sua opinião a respeito. Obrigado!

    Venho através desta defender que a segunda afirmativa apresentada na questão número 2 é verdadeira. Desta forma a questão deverá ser anulada.
    Afirmativa:
    “( ) O experimento relatado no segundo parágrafo tem a função de validar a segunda parte da tese.”
    A primeira afirmativa foi considerada verdadeira. Nessa afirmativa atesta-se que a tese do autor é descrita na última frase do primeiro parágrafo, a qual é dividida em duas partes:
    1a. parte da tese: “Todos esses sentimentos estão relacionados a circuitos neuronais onde há predomínio de um neurotransmissor…”.
    2a. parte da tese: “… para modular esses circuitos é preciso controlar o nível desse neurotransmissor dentro do cérebro…”.
    A segunda afirmativa é verdadeira porque evidencia que a segunda parte da tese (descrita acima) é validada no segundo parágrafo. O segundo parágrafo descreve o estudo da doutora Marazziti sobre a descoberta de baixos níveis de uma proteína transportadora de serotonina (neurotransmissor) dentro do cérebro dos indivíduos analisados. Descreve também que, controlando os níveis de serotonina (neurotransmissor) através do uso de medicamentos antidepressivos pode-se modular os circuitos cerebrais associados às relações afetivas, minimizando o sofrimento na hora da separação.
    Portanto, é possível modular os circuitos cerebrais controlando o nível do neurotransmissor (serotonina) através de medicamentos, como enunciado na segunda parte da tese.

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Ricardo,
      Encaminhamos as suas dúvidas para a professora. Assim que tiver um retorno lhe daremos. Abs!

    • Blog Aprova Concursos

      Olá, Ricardo! Entendo que o segundo parágrafo reitera a questão dos sentimentos, uma vez que exemplifica com a paixão. Isso corresponde à primeira parte da tese (Todos esses sentimentos estão relacionados a circuitos neuronais onde há predomínio de um neurotransmissor…). Já o terceiro parágrafo, ao exemplificar o tratamento realizado com as ratazanas, corresponde à segunda parte da tese (para modular esses circuitos é preciso controlar…) e os medicamentos aplicados representariam o controle.
      Bos sorte com o resultado! Sucesso!

      Atte,

      Daniela Tatarin

Comente:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *