Aprova Concursos - Blog

Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

Gabarito Comentado TJ PR – Discursiva

Publicado em 24 de maio de 2014 por - 15 Comentários

Confira o gabarito comentado da prova Discursiva aplicada neste domingo, dia 18, para os candidatos ao cargo de Técnico Judiciário no concurso do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ PR). Correção e comentários feitos pela professora do Aprova Concursos Daniela Tatarin.

Como gostei da discursiva do TJ!

Dentro do esperado, tema super atual, com textos de apoio e tudo!
Número de linhas dentro do que conversamos em nossas aulas. Adorei. Como não me contenho, escrevi uma resposta, dentro do que considerei uma abordagem que atendesse à proposta. Não é o “perfeito”, mas pode ajudar a imaginar a nota diante do que fizeram.

Sucesso a todos os meus queridos, que por meses se dedicaram exaustivamente para esta prova!

Daniela Tatarin.

Considere o seguinte fato, amplamente divulgado pela imprensa:
Adolescente é agredido a pauladas e acorrentado nu a poste no Rio

discursiva
Um adolescente de 15 anos foi agredido a pauladas e acorrentado nu pelo pescoço a um poste, na noite de sexta-feira (31 jan. 2014), no Flamengo, zona sul do Rio. Moradora da região, a filóloga Yvonne Bezerra de Mello, 67, do Projeto Uerê, encontrou o garoto desorientado e chamou os bombeiros.
Sem documento, ele foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, e depois desapareceu. Segundo Yvonne Mello, o jovem nem sequer conseguia falar porque estava muito machucado – a maioria dos ferimentos era na cabeça.
Yvonne Mello fez a imagem do garoto e divulgou na rede social em protesto. Ele estava nu e com hematomas por todo o corpo.
Os bombeiros tiveram que usar um maçarico para libertar o rapaz.
Testemunhas afirmaram que o garoto foi agredido a pauladas por um grupo de três homens, que estavam em motos. A Polícia Civil informou que a delegada titular da 9a DP (Catete), Monique Vidal, registrou o crime na unidade como “lesão corporal”, após tomar conhecimento do caso pela imprensa.
(Folha de S. Paulo, 04 fev. 2014. Adaptado.)

Considere também as seguintes repercussões do fato relatado:
Yvonne Bezerra de Mello: “Me pareceu que alguém quis fazer justiça com as próprias mãos, já que aqui tem acontecido
muito assalto, principalmente com gangues de garotos e ciclistas. Mas admira ver uma cena deplorável dessa em 2014. Uma
barbárie… Se é marginal, prende.” (Folha de S. Paulo, 04 fev. 2014)
Rachel Sheherazade (apresentadora do SBT): “A atitude
dos vingadores é até compreensível. O contra-ataque aos
bandidos é o que eu chamo de legítima defesa coletiva. Aos
defensores dos direitos humanos que se apiedaram do
marginalzinho preso ao poste, lanço uma campanha: faça um favor
ao Brasil, adote um bandido.” (Carta Capital, 19 fev. 2014)
Internauta (não identificado): “Sou a favor da ponderação
e justiça. Mas em situações como essas, com a falta de
policiamento e a impunidade reinante, a ação é atirar nos bandidos
(se por acaso a polícia passar por lá). Se o pessoal dos direitos
humanos reclamar, dê uniformes, armas e a responsabilidade de
resolver os problemas de segurança a ele. (Carta Capital, 19 fev.
2014)
A partir das informações dadas, escreva um texto posicionando-se frente ao fato relatado e a seu significado para a
sociedade brasileira.
Seu texto deve:
 ser predominantemente argumentativo;
 conter um breve relato do fato;
 apresentar com clareza seu ponto de vista, justificando-o com argumentos;
 citar e comentar pelo menos uma das opiniões reproduzidas no enunciado da questão;
 ter no mínimo 16 e no máximo 20 linhas.

 

Sugestão de resposta – Proposta de redação
Há tempos que a impunidade assombra o brasileiro. Recentemente, o assombro virou motivação para o que se pensa ser justiça – e com as próprias mãos. O triste episódio ocorrido no Rio, em que um menor foi agredido e amarrado a um poste, nu, dividiu opiniões. Alguns apoiaram, outros repudiaram e há os que preferiram não se manifestar. O problema é que o fato se repetiu e não se sabe se voltará a acontecer.

É muito bonito o discurso de que o direito de um começa onde termina o do outro. Poderia questionar o direito do garoto e rapidamente seria rebatida quanto aos direitos das pessoas assaltadas por ele. Pior, poderia ouvir o rótulo de “marginalzinho”, como fez a apresentadora Rachel Sheherazade. E de maneira leviana. A apresentadora deveria cuidar do que fala, pois é vista como formadora de opinião. Não se pode esquecer que um boato gerou, também há pouco tempo, a morte de uma mulher, confundida com uma sequestradora de crianças.
A questão não é mais o que o criminoso é. A questão é o que nos tornaremos se compactuarmos com isso. Cabe à polícia agir em combate ao crime, não aos cidadãos. Assumir a função de justiceiro colocará a sociedade no mesmo nível de barbárie dos criminosos que tanto se condena. Além disso, a história comprova que opiniões extremadas condenam a sociedade a perecer. Nazistas eram extremistas e o que fizeram, definitivamente, não foi bom.

Assim, é importante deixar a polícia fazer o seu trabalho. Ao cidadão cabe a responsabilidade de observar, cobrar ações – especialmente do poder público – e ser ciente de seu papel. A democracia agradece se a população não agir mais como favorável ao retorno de um regime totalitário. Mesmo porque se sabe que muitos não têm consciência disso.


Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

15 comentários

  • Luciane

    Professora,

    Mesmo a proposta pedindo um texto opinativo eles podem fazer controle ideológico?

    att.

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Luciane,
      Encaminhamos sua dúvida à professora. Publicaremos aqui assim que tivermos um retorno.
      Abs 😉

    • Clive

      Não, não podem não, você só é obrigada a se posicionar a favor ou contra os fatos descritos no texto, apenas isso.

    • Blog Aprova Concursos

      Luciane,
      Segue resposta da professora:
      Não se preocupe com a aceitação da opinião. O que pesa é a forma como justifica sua opinião. Não há a menor possibilidade de controle ideológico, a não ser se você ferir direitos humanos, por exemplo.
      Boa sorte com o resultado! Sucesso!
      Prof. Daniela Tatarin

  • André

    Muito bom seu texto, professora, porém, caso fosse ecrito a mão, mesmo com letra pequena, passaria de 20 linhas fácil!

  • Erinaldo

    Excelente exemplo de texto dissertativo, parabens. Aprendi muito.

  • Izabela

    Tenho a mesma dúvida da Luciane mas acredito que independente da opinião dissertada terá uma boa nota um texto bem construído. Até porque o meu foi em sentido contrário ao da professora…Também concordo com a opinião do André…o texto da professora excederia o limite de linhas imposto no teste.

  • Pedro

    Professora…há algum problema em colocar título em uma dissertacao dessa!?verifiquei no manual de redacao do ENEM e disse que é optativo…qual sua opinião a respeito

    • Blog Aprova Concursos

      Olá, Pedro!
      Veja a resposta da professora:

      O título deve ser atribuído ao texto quando a proposta solicitar. Os critérios do Enem não se enquadram nos critérios da banca Ufpr, no caso do TJ. Ainda assim, penso que a colocação de título não deve representar desconto na nota final atribuída aos candidatos.
      Atte,
      Daniela Tatarin

  • LUAN MENDES DOS SANTOS

    Olá.
    Questão muito boa, sobre um tema extremamente polêmico.
    Que bela redação.

    Que DEUS Abençoe a todos.

  • Kleverson

    Excelente texto.

  • Anie

    Em 2014, um fato provocou atenção a população, um adolescente de 15 anos foi agredido a pauladas e humilhado em publico na zona sul do rio. Diante de tais evidencias é possível indagar: o ocorrido se deve a crescente violência e marginalização ou a falta de policiamento fez com que o agressor fizesse justiça com as próprias mãos?

    E comum vê erros somente na atitude do agressor, como enxerga Yvonne bezerra que foi contra sua atitude citando o seguinte comentário: se é marginal, prende. Agora se coloquem no lugar do agressor, e se o adolescente tivesse matado seu filho e a justiça ate então nada tivesse feito.

    Assim, o estudo da violência parece melhor desenhado quando enxergamos que a falta de policiamento faz com que a violência e marginalização ganhem espaço na sociedade e os indivíduos é quem determinam como fazer justiça já que ela não age.

    analisem a minha ai gente me ajuda? fui bem ou mal? por favor me ajuda

    • gabrielle

      tem vários erros de pontuação…vc tem que prestar bastante atenção nisso.
      acho que ficaria correto assim :

      É comum ver erros somente na atitude do agressor, como enxerga Yvonne Bezerra que foi contra sua atitude (citando da a ideia que ela esta citando algo que alguem disse )fazendo o seguinte comentário: ” se é marginal, prende”. Agora se coloquem no lugar do agressor,não seria fácil aceitar que o adolescente matou seu filho e a justiça nada fez.

  • Bruna

    Depois do relato do fato, preciso pular linha?

Comente:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *