Aprova Concursos - Blog

Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

Concurso para Técnico MPU 2013 – Gabarito comentado da prova de Língua Portuguesa

Publicado em 20 de maio de 2013 por - 23 Comentários

Confira abaixo o gabarito de Língua Portuguesa, referente à prova aplicada para o cargo de Técnico do concurso do MPU (Ministério Público da União), comentado e revisado pelo professor Odilei França. 

  • Concurso Público: Ministério Público da União
  • Data: 19 de maio de 2013
  • Cargo: Técnico – Apoio Técnico Administrativo – Especialidade Administração
  • Instituição elaboradora: Cespe/UnB
  • Disciplina: Língua Portuguesa
  • Professor: Odilei França
  • Modalidade de questão: Certo ou Errado

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) é o melhor exemplo de que a reforma do Poder Judiciário não está estagnada. Dez anos atrás, época em que ainda se discutia a criação do conselho, ao qual cabia o epíteto “órgão de controle externo do judiciário”, a existência de um órgão nesses moldes, para controlar a atuação do poder Judiciário gerava polêmica.

Atualmente, o CNJ não só se tornou realidade, como ainda é citado em outro contexto. O órgão goza hoje de alto conceito como ferramenta de planejamento. É verdade que subsistem controvérsias acerca dos limites de sua atuação, mas elas permanecem em segundo plano diante de medidas moralizadoras por ele determinadas, como o combate ao nepotismo e aos supersalários, além da aplicação de penalidades aos magistrados.

Antes, os quase cem tribunais do país funcionavam sem nenhuma coordenação, e pouco – às vezes, nada – se sabia sobre eles. Não havia certeza sequer a respeito do total de processos, juízes e recursos. A partir da elaboração de relatórios como o Justiça em Números, o CNJ pôde, por exemplo, criar metas para desatar os nós da justiça brasileira. Uma delas, de 2009, previa o julgamento de todos os processos distribuídos antes de 2006. Identificaram-se quase 4,5 milhões de casos; 90% deles já foram julgados.

Folha de São Paulo, Editorial, 7/4/2013 (com adaptações)

Em relação às informações e estruturas linguísticas do texto acima, julgue os itens que se seguem.

1- Prejudica-se a correção gramatical do texto ao se substituir a expressão, “Identificaram-se” (l.23) por Foram identificados.

Questão 1  ERRADA

Pois há aí apenas a transposição da voz passiva sintética ou pronominal para a voz passiva analítica, então não prejudica a correção gramatical.

2- Prejudica-se a correção gramatical do texto ao se substituir a expressão “Dez anos atrás” (l.3) por Há dez anos.

Questão 2 ERRADA

Usa-se a expressão “há dez anos” para expressar tempo transcorrido, tempo que já passou daquele fato até hoje.

3- O vocábulo “epíteto” (l.4) introduz um expressão que qualifica e explica a função do CNJ.

Questão 3 CORRETA

A expressão “epíteto” ligada a um nome tem por função qualificá-lo, mas aqui também explica a função do CNJ.

4 – No segundo parágrafo, o segmento “O órgão” (l.9) retoma, por coesão, o termo antecedente “CNJ” (l.8).

Questão 4 CORRETA

Eu poderia dizer O CNJ goza hoje…

5 – Subentende-se das informações do texto que a palavra “Antes” (l.16) remete a período recente, quando o CNJ, já criado, ainda não gozava do prestígio que tem hoje.

Questão 5  ERRADA

“antes” no texto se reposta ao período em que ainda não havia sido criado o CNJ.

Inalterado desde a redemocratização, o sistema político brasileiro está finalmente diante de uma oportunidade concreta de mudanças, principalmente em relação a aspectos que dão margem a uma série de deformações e estimulam a corrupção já a partir do período de campanha eleitoral. Se as restrições históricas às transformações não prevalecerem, a Câmara dos Deputados deverá dar início ao debate sobre uma série de inovações com chance de valerem já para as próximas eleições. Mais uma vez, questões importantes como o voto facultativo e o distrital ficarão de fora, o que faz que as atenções se concentrem em aspectos mais polêmicos como o financiamento público de campanha, a partir da criação de um fundo proposto por meio de projeto de lei. Se a intenção é mesmo reduzir as margens de para desvios de dinheiro, é importante que as pretensões, nesse e em outros pontos, sejam avaliadas com objetividade e sem prejulgamentos.

Zero Hora, 8/4/2013

Julgue os itens a seguir, relativos às informações e estruturas linguísticas do texto acima.

6 – Em “se concentrem” (l. 11) e “Se a intenção” (l. 13), o vocábulo se desempenha a mesma função: introduzir oração condicional.

Questão 6 ERRADA

Em se concentrem o “SE” é pronome apassivador e apenas em se a intenção o “SE” é conjunção condicional.

7 – Estariam mantidas a correção gramatical e a coerência do texto se, feitos os devidos ajustes de maiúsculas e minúsculas, o trecho “Inalterado desde a redemocratização” (l. 1) fosse deslocado e inserido, entre vírgulas, imediatamente após “brasileiro” (l. 2).

Questão 7 CORRETA

O termo circunstancial estaria entre o sujeito e seu verbo, composto por mais de dois elementos, presença da vírgula obrigatória.

8 – Mantém-se a correção gramatical do texto ao se substituir o trecho “a uma série” (l. 4) por à uma série, dado o caráter facultativo do emprego do sinal indicativo de crase nesse caso.

Questão 8 ERRADA

Pois a ocorrência de crase normalmente se justifica pela presença de uma preposição exigida pela palavra anterior e a presença de artigo exigido pela palavra posterior, e no caso “UMA é pronome indefinido e não aceita a presença de artigo.

9 – Na linha 6, o emprego do sinal indicativo de crase em “às transformações” justifica-se porque o termo “restrições” exige complemento regido pela preposição a e a palavra “transformações” está precedida de artigo definido feminino no plural.

Questão 9 CORRETA

A própria afirmativa justifica a resposta.

10 – Infere-se da leitura do texto que há a possibilidade de persistirem as restrições às transformações do sistema político brasileiro.

Questão 10 CORRETA

Situação estabelecida pela conjunção “SE”.

 

Dependerá da adesão dos demais ministros o êxito de um apelo feito pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), para que seja extinta a prática de esconder os nomes de investigados em inquéritos criminais na mais alta corte do país. Ele defende que o STF deve livrar-se do costume de manter identidades em segredo, ou estará contrariando todos os esforços em busca de maior transparência. Enfatiza o ministro que o bom senso recomenda a mudança, mesmo que alguns dos integrantes do Supremo defendam a manutenção do procedimento adotado em 2010.

É ultrapassado o entendimento de que, ao não identificar os investigados, o STF estaria protegendo pessoas que, no desfecho dos processos, poderiam vir a ser absolvidas ou ter seus casos arquivados. Por essa norma, os investigados são identificados apenas pelas iniciais, como se o STF estivesse, de alguma forma, resguardando acusados de algum delito. Assegura o presidente que a presunção de inocência não justifica o que define como “opacidade que prevalece no âmbito dos processos criminais no Supremo”.

Reverter essa restrição significa, segundo a argumentação do ministro, ser transparente não só para a justiça, mas também para toda a sociedade.

Zero Hora, 8/04/2013

Com base na leitura do texto acima, julgue os itens a seguir.

11 – No trecho “Enfatiza o ministro que o bom senso recomenda a mudança” (l. 7-8), mantêm-se a informação original e a correção gramatical do período ao se substituir “que o” por cujo.

Questão 11 ERRADA

Pois a palavra “QUE” é conjunção integrante e nada tem a ver com pronome relativo, e mesmo que fosse, o pronome relativo “CUJO” só substitui termo que exerce a função de adjunto adnominal e o “QUE” não.

12 – A substituição de “vir a ser” (l. 13) por virem a serem prejudicaria a correção gramatical do período.

Questão 12 CORRETA

Pois, em uma locução verbal, o verbo que faz a concordância com o sujeito e o primeiro verbo “poderiam”, então prejudicaria a correção gramatical.

13 – No trecho “justifica o que define” (l. 18), o pronome “o” poderia ser corretamente substituído por aquilo.

Questão 13 CORRETA

Pois o “O” antes do que na expressão indicada é pronome demonstrativo e equivale a “aquilo”.

14 – Na linha 1, a expressão “o êxito” exerce função sintática de complemento direto da forma verbal “Dependerá”.

Questão 14 errada

Pois “O ÊXITO” é sujeito de “DEPENDERÁ”.

15 – Seria mantida a correção gramatical do texto, caso a forma verbal “manter” (l. 5) fosse flexionada no plural – manterem.

Questão 15 ERRADA

Pois sujeito no singular “STF” requer verbo no singular.


Inscreva-se

Receba as notícias por e-mail

23 comentários

  • elival medeiros

    a questão 3 é a 4 da prova , tem algo errado ae

    • elival medeiros

      esqueceram de uma questão e ficou quase tudo trocada as questões , percebem que a partir da questão naõ coincidem a numeração das questões da prova com o gabarito de vcs .

      • Blog Aprova Concursos

        Olá Elival,
        Como havia vários cadernos de prova, a ordem das questões pode não ser a mesma para todos.
        Abs.

  • Viviane Broedel

    Olá, boa tarde!
    Analisando o gabarito comentado, percebi que a questão nº 06 não foi respondida!

    6 . Infere-se da leitura do texto que há a possibilidade de persistirem as restrições às transformações do sistema político brasileiro.

  • Augusto

    Gabarito de língua portuguesa para prova de analista área judiciária ninguém faz, por quê?

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Augusto!
      Já foi feita! http://www.aprovaconcursos.com.br/noticias/2013/05/21/concurso-para-analista-mpu-2013-gabarito-comentado-da-prova-de-portugues/

  • ROZE

    Boa noite!

    Se esse gabarito estiver correto, errei somente uma questão.

  • Renata Mendonça

    Concordei em tudo! Acertei todas!!!

  • ROOSEVELT PEDROSO

    Boa noite, as pegadinhas realmente existem, e nos pega….

  • Miguel

    Bom dia prof. Odilei.
    Parabéns pelos comentários! Gostaria apenas de fazer um comentário em relação a questão 9 e a justificativa do uso da crase na frase “Se as restrições históricas ás transformações não prevalecerem, a câmara dos deputados deverá das início…” Não existe a possibilidade de quem exige a preposição a ser o verbo prevalecerem? + o artigos as de transformações. Desta forma: “Se(oque?) as restrições históricas não prevalecerem(a que?) às transformações, a câmara dos deputados deverá..
    Fico com a dúvida pois, apesar de me dedicar muito ao português me confundo muito especialmente em uma banca como a cespe que quando manda uma questão -aparentemente- muito óbvia é preciso parar, voltar, analisar e analisar antes de ter certeza. Obrigado.

    • Blog Aprova Concursos

      Olá Miguel!
      Vamos encaminhar sua dúvida ao professor!
      Abs

    • Blog Aprova Concursos

      Olá, meu caro aluno, bom dia.

      Muito bom o seu questionamento, pois o CESPE trabalha muito a organização sintática.

      A explicação é a seguinte:

      O verbo “prevalecer” nesse contexto é intransitivo, não tem complemento, e o seu sujeito é “as restrições históricas às transformações”

      Isso quer dizer que o termo “as transformações” está ligado ao termo “restrições” funcionando como complemento nominal, daí a ocorrência de crase (preposição “a” da palavra “restrição” mais o artigo “as” da palavra “transformações”).

      Odilei França

  • Se este gabarito estiver correto, acertei todas.

  • Aparício R. Filho

    Prova fácil para o nível do concurso.

  • BOM DIA !
    SE ESTIVER MESMO CORRETO ESTA CORREÇÃO, ERREI DUAS QUESTÕES, SE CONTINUAR ASSIM MELHOR, O CONTEÚDO ESTA DENTRO DO ESPERADO.

  • João Carlos

    Se esse gabarito estiver correto acertei todas, caso não esteja, ainda assim, fico feliz, pq alguém da área responderia igual a mim.

  • Kyoi Figueiredo

    Fiquei com o caderno de provas para conferir, e estou vendo muitas questões com a ordem diferente das comentadas aqui. Nas de português, por exemplo, a minha 6 é a 8 daqui, a 7 é a 9. daí, a 9 é a minha 6. tudo doido!

  • REGINA MATHIAS

    Bem, até o momento fiz apenas 59 pontos,se for da ventade de Deus ficarei na lista de classificados. Pois sei que teve gente que foram melhores do que eu.Deus os abençoe! Boa sorte a todos.

  • Daniel Corban Rodrigues

    Em relação à questão 3, como seria possível que o vocábulo “epíteto”, que segundo o dicionário Aurélio significa “palavra ou frase que qualifica pessoa ou coisa”, possa estar explicando a função do CNJ? O vocábulo, na minha modesta opinião, não explicita função nenhuma do órgão, mas apenas o qualifica.

  • Steff

    Minhas questões estão de acordo com a correção daqui, mas não de acordo com o gabarito fornecido pelo cespe. Alguém mais teve problemas nesse sentido?

Comente:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *